Make your own free website on Tripod.com

Monte Sinai

 
5 - Concordam a Bíblia e a Ciência

 

 

 

1. Costuma-se dizer que "um pequeno conhecimento é perigoso." Isso pode ser verdade no campo da ciência, como disse Sir Francis Bacon, um dos fundadores da ciência natural.

"É uma verdade assentada e uma conclusão da experiência, que um conhecimento pequeno ou superficial de filosofia pode inclinar a mente humana ao ateísmo, ruas uma penetração maior nela traz a mente de volta à religião." - Advancement of Learnig, Livro 1, p. 4, no vol. 30 de Great Books of the Western Word (Encyclopaedia Britannica Inc., Chicago, 1955).

Afirmam alguns que a Bíblia e a ciência são antagônicas, e que entre os fatos da ciência e as declarações da Santa Escritura há um conflito inconciliável. Tais críticos da Bíblia simplesmente confirmam a verdade da máxima anterior, que "um pequeno conhecimento é perigoso", pois, por mais que possam conhecer da ciência real, é evidente que possuem apenas pequeno conhecimento do Livro dos livros.

2. Os homens realmente grandes reconhecem prontamente suas limitações. Sir Isaac Newton, descobridor da lei da gravidade e um dos maiores gênios da ciência em todos os tempos, tinha uma opinião muito humilde de suas consecuções científicas. Percebendo quão insignificante é a sabedoria do homem em comparação com a sabedoria do Infinito, declarou:

"Parece que tenho sido apenas um menino brincando na praia e me divertindo com achar, de vez em quando, um seixo mais liso ou uma concha mais bonita do que o comum, enquanto o grande oceano da verdade jaz totalmente encoberto diante de mim!" - Citado por Sir David Brewster, Memoirs of Newton, vol. 2, p. 407 (T. Constable and Co., Edinburg, Scot., 1855).

3. Nestas nobres palavras S ir Isaac Newton estabelece um precedente digno de que todos sigam. Ele viu "um grande oceano de verdade", não só em a Natureza, mas também nas Escrituras. Ele foi um estudioso diligente da Palavra de Deus e escreveu diversos volumes acerca da profecia bíblica. Em toda a sua pesquisa não achou discrepância entre os fatos da ciência e as palavras da Inspiração, pois uma verdade é coerente com todas as outras verdades.

4. São espantosas as concepções errôneas que existem na mente de muitos dos detratores da Bíblia. Ou têm insuficiente familiaridade com a palavra de Deus ou julgam as Escrituras pelos pronunciamentos dos inimigos declarados desta.

Tal proceder é manifestamente desonesto. Caso alguém estivesse buscando informações acuradas e imparciais acerca de nós pessoalmente, não recorreria em busca de tais informações aos nossos inimigos declarados. Nossos adversários tendem a exagerar nossas faltas e minimizar nossas virtudes.

Se todas as idéias e citações errôneas acerca das Sagradas Escrituras fossem reunidas formariam uma vasta biblioteca, mas o seu conteúdo seria a própria antítese da Bíblia. Ao examinarmos nós mesmos as Escrituras, descobrimos que elas não so se harmonizam com toda ciência genuína, mas muitas vezes têm antecipado descobertas científicas por milênios.

 

A Bíblia à Frente da Ciência

5. Certa ocasião, enquanto um conferencista se dirigia a um grande auditório, um homem levantou-se e declarou que conhecia uma passagem da Bíblia que dizia ser a Terra plana. O cético não foi capaz de indicar o lugar exato em que tal declaração se pudesse encontrar, mas prometeu apresentar a informação na semana seguinte. Entretanto, não apareceu como prometera.

Pensa-se, geralmente, que Colombo (1451-1506) foi das primeiros a estabelecer o fato da esfericidade da Terra em base científica. Contudo, mais de vinte séculos antes do nascimento de Colombo, o profeta Isaías chama-nos a atenção para esse fato, ao declarar acerca do Criador:

"Ele é o que está assentado sobre a redondeza da Terra." Isaías 40:22 (ARA). Os habitantes do mundo, em sua maior parte, esperaram vinte e cinco séculos para que o homem demonstrasse aquilo que a Bíblia já havia declarado há dois mil e quinhentos anos. Embora não seja em primeiro lugar um livro científico, vemos que a Bíblia está à frente da ciência.

 

A Bíblia e a Lei da Gravidade

6. Sem dúvida o leitor está a par das circunstâncias que levaram Sir Isaac Newton (1642-1727) à descoberta da lei da gravidade, que fez época. Tem-se dito que um dia, enquanto repousava à sombra de uma macieira, ele viu cair no chão uma maçã. Isto o fez pensar. Em seu esforço para descobrir a razão pela qual os objetos caem em direção à terra, foi levado a investigar as forças e as energias da Natureza. Em resultado da sua diligente e laboriosa pesquisa, o grande matemático e físico sensibilizou o mundo científico ao declarar que todos os corpos celestes são guiados em seu curso pela lei da atração ou da gravidade

7. Era crença geral, durante séculos, que uma força misteriosa mas invisível sustentava o Sol e os planetas no espaço.

Alguns mestres antigos supunham que a Terra fosse sustentada por um gigantesco elefante, ou estivesse apoiada nos ombros de um Atlas que, por sua vez, se firmava nas costas de uma tartaruga. A descoberta da lei da gravidade pôs fim a todos esses absurdos. Contudo, 30 séc. antes do advento de Newton, as Escrituras registraram o princípio da gravitação no livro de Já, que se crê seja da autoria de Moisés.

Lemos do poder e sabedoria do Mestre:

- "O norte estende sobre o vazio, e suspende a Terra sobre o nada." Jó 26:7 (ARA). Desde a descoberta da lei da atração, é universalmente reconhecido que a Terra e todos os corpos celestes, quando em movimento, estão suspensos no espaço sem qualquer suporte visível ou, na expressão exataíssima da Bíblia, "sobre o nada." Assim temos ilustrado mais uma vez esta verdade, que a Bíblia se antecipa de séculos a muitas descobertas científicas modernas.

8. No ano de 1643 E. Torricelli inventou o barômetro - um instrumento delicado que demonstra a variação da pressão atmosférica. O invento baseia-se na descoberta moderna de que o ar tem peso. Sabe-se que um metro cúbico de ar ao nível do mar pesa aproximadamente um quilo, e que a massa de atmosfera ao redor do globo pesa mais de cinco quatrilhões de toneladas. Para sermos exatos, o peso do ar é de 5.287.350.000.000.000, de toneladas, número que ultrapassa a capacidade de a mente humana compreender ou imaginar. Todavia, no livro de Jó encontramos que:

a "Ele (Deus] perscruta até as extremidades da Terra; regulou o peso do vento." Jó 28:24, 25 (ARA).

Assim aprendemos que há mais de 3.000 anos antes da ciência descobrir este fato, a Bíblia declara que o ar, ou seja o vento, tem peso.

 

A Bíblia e a Astronomia

9. Durante os séculos em que a Bíblia foi escrita, foram também produzidas muitas dissertações sobre astronomia. As primeiras sobre este assunto estavam cheias das superstições e dos erros dos seus dias. Porventura esposaram, favoreceram ou advogaram, as Escrituras, qualquer desses erros? Absolutamente não! Jamais fizeram qualquer propagação, por menor que fosse, dos ensinos que então prevaleciam. Suas declarações sobre astronomia têm resistido à prova do tempo, sendo testemunhada sua precisão pela astronomia moderna implementada pelo espectroscópio e por potentes telescópios, como disse muito bem um astrônomo:

"O telescópio apenas conta a história que Deus já em Seu Livro tinha escrito." Numa placa de mármore, no muro do observatório astronômico da Faculdade Williams, estão esculpidas as seguintes palavras, tiradas das Escrituras:

- "Levantai os vossos olhos e vede quem criou estas coisas." Isaías 40:26 (ARA). Os astrônomos encontrarão muita matéria para reflexão nos vários textos bíblicos de importância para a astronomia.

10. Muito antes de a ciência descobrir que a Terra gira em torno do seu eixo, fazendo aproximadamente 365 rotações e 1/4 enquanto completa uma única órbita em volta do Sol, este fato foi mencionado quando Deus perguntou a Jó:

- "Acaso desde que começaram os teus dias deste ordem à madrugada, ou fizeste a alva saber o seu lugar para que se apegasse às orlas da terra, e desta fossem os perversos sacudidos?" Jó 38:12, 13 (ARA).

E o Senhor respondeu à sua própria pergunta, dizendo isto concernente à Terra: "A terra se modela como o barro debaixo do selo", verso 14 (ARA).

O verbo hebraico traduzido corno "se modela" neste versículo, é haphak na, sua forma hithpa'el, e literalmente significa "gira".

Em outras palavras, como o barro é girado na roda do oleiro para receber a impressão do desenho ou selo do oleiro, assim a Terra gira em torno do seu eixo à luz do Sol a fim de que todos os lados sejam por ela iluminados e aquecidos.

11. Milhares de anos antes que um Newton, um Einstein, ou um Jeans descobrisse a ordem matemática do Universo, o Senhor ordenou à humanidade:

- "Levantai ao alto os vossos olhos, e vede. Quem criou estas coisas? Aquele que faz sair o seu exército de estrelas, bem contadas, as quais ele chama pelos seus nomes; por ser ele grande em força e forte em poder, nem uma só vem a faltar." Isaías 40:26 (ARA).

12. Alguns homens costumavam ensinar que a Lua brilhava com luz própria e que era maior que o Sol. Hoje sabemos que a Lua é muito menor, tanto do que o Sol como do que a Terra. De fato, o diâmetro do Sol é 400 vezes maior que o da Lua. Ouçamos agora o que a Bíblia diz a esse respeito:

- "Fez Deus os dois grandes luzeiros: o maior para governar o dia, e o menor para governar a noite." Gênesis 1:16 (ARA).

Aqui encontramos novamente as verdades científicas da Bíblia luzindo com brilho de mais alcance do que o erro pagão.

13. O Criador perguntou ao patriarca Jó: "Poderás tu soltar os laços do Órion?" Já 38:31 (ARA). Esta bela constelação, mencionada em duas outras passagens da Santa Escritura (Jó 9:9 e Amós 5:8) contém Betelgeuse, estrela que tem um diâmetro que vai de 360 a 530 vezes o do Sol. Na espada do Órion está a grande Nébula, que é uma das mais magníficas de nossa galáxia - a Via Láctea. É de cerca de 16 anos-luz de diâmetro e fica a aproximadamente 1.000 anos-luz distante de nós. Um ano-luz é a distância que a luz, que viaja a uma velocidade aproximada de 300 mil Km por segundo, pode caminhar num ano de calendário (300.000 x 31.566.926). Essa nebulosa é quase invisível a uma pessoa de vista acurada, sem auxílio de um telescópio.

Ao considerar Jó maravilhas do Universo como fruto do poder de Deus, foi inspirado a exclamar:

astronomia. Sua luneta revelou um universo novo, não sonhado, e maravilhosamente estrelado, A astronomia moderna aprimorou centuplicadamente os métodos de Galileu, pois com o auxílio de poderosos refletores milhares de estrelas são reveladas onde o olho nu não pode ver nenhuma ou, na melhor das hipóteses, só pode ver algumas. Sabe-se agora que o céu contém não apenas bilhões de estrelas, mas bilhões de universos em forma de ilha. Os astrônomos já não se aventuram a numerar as estrelas, pois sabem que elas não podem ser numeradas. Que as estrelas são inumeráveis é a última palavra da ciência; no entanto, esse fato interessante era conhecido a Abraão há quase 4.000 anos, pois lemos em Gênesis 15:5 (ARA) que, numa noite clara e brilhante, Deus "então conduziu-o até fora e disse: Olha para os céus e conta as estrelas, se é que podes. E lhe disse: Será assim a tua posteridade."

15. Assim vemos que as Escrituras contêm muitos fatos significativos para a astronomia, que esta ciência levou milhares de anos para descobrir. O Dr. William L. Kennon, professor de física e astronomia da Universidade de Mississipi, disse:

"Os valores morais e espirituais da astronomia têm sido percebidos por homens de todas as eras. Lemos a proclamação do salmista:

"Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos." Salmo 19:1 (ARA). Quanto mais poderosos os telescópios, maior é a glória que revelam." - Astronomy: a Textbook for Colleges, p. 5 (Ginn and Co., Boston, Mass.: 1948).

 

A Bíblia e a Biologia

16. A moderna ciência biológica estabeleceu o fato indubitável de que a vida so procede de vida anterior. Há séculos houve filósofos que anteciparam a idéia da geração espontânea como explicação da origem da vida. Este ensino errôneo antecipou as idéias de que a vida surge subitamente de substâncias não vivas. Parece quase incrível que tais teorias estranhas tenham sido ensinadas durante séculos com o nome de ciência; mas o microscópio, sob a hábil mão de Luís Pasteur, revelou um mundo de microorganismos, e as subseqüentes descobertas da Biologia revelaram que é preciso vida original para produzir vida. Isto é doutrina clara, inteligente e científica, apoiada por fatos e observações. Contudo, se os homens tivessem acreditado sempre nas claras e simples expressões do primeiro capítulo de Gênesis, a enganosa idéia da geração espontânea jamais teria prosperado.

O relato inspirado - "No princípio criou Deus" - não só expõe a falsidade da teoria da geração espontânea, mas apóia as descobertas da verdadeira ciência de que a vida deve ter fonte em vida pré-existente. Sir James Jeans, o astrônomo e físico britânico, fez a seguinte declaração científica, que sustenta e apóia o ensino bíblico da Criação:

17. "Tudo aponta com força dominante a um evento definido ou a uma série de eventos, de criação em algum tempo ou em tempos não infinitamente remotos. O universo não pode surgir por acaso de seus atuais ingredientes, nem pode ter sido sempre o mesmo que é agora." - Eos, p. 55 (E. Dutton and Co., New York City, 1929).

18. Muitos outros exemplos poderiam ser citados para provar que a Bíblia está em perfeita harmonia com a verdadeira ciência. Se a ciência atentasse para o seu próprio "alinhavo", interessando-se apenas por fatos em vez de teorias ambíguas, estaria de pleno acordo com a Palavra da Inspiração Divina.

 

A Bíblia e os Compêndios Científicos

19. Um estudante universitário certa vez procurava informar a um escritor que a Bíblia não concordava com os compêndios científicos. A que compêndios - perguntou este - você está se referindo: os de 25 anos atrás, de 10 anos atrás, ou aos atuais. Como os compêndios de ciência são mudados tão freqüentemente, como você espera que a Bíblia concorde com todos eles? O estudante retirou-se pensativo.

20. Tantas teorias, hipóteses e especulações se têm adiantado em nome da ciência que, quando os fatos reais são trazidos à luz, torna-se imperioso revisar ou mudar esses textos. Desta sorte, podem teorias de feitura humana vir e ir, mas a Bíblia permanece para sempre.

 

Testemunhos de Grandes Cientistas

21. É quase um truísmo que quanto mais os homens de ciência se aprofundam no seu campo de estudo, mais convencidos se tornam de que há um Deus, e de que as Escrituras são a revelação do Seu propósito e vontade. O espaço nos permite mencionar apenas alguns desses cientistas.

Como já dissemos, Sir Isaac Newton foi devoto estudioso da Bíblia e escreveu livros sobre as profecias das Santas Escrituras. O primeiro livro que Gutenberg, o inventor da máquina de impressão, imprimiu foi a Bíblia. A primeira mensagem que Samuel F. B. Morse, o inventor do telégrafo, fez percorrer os fios, foram palavras da Escrituras: Que Coisas Deus tem operado! Números 23:23 (A R A). O prêmio Nobel Arthur H. Compton, diretor do Departamento de Física da Universidade de Chicago, numa alocução em South Bud, Indiana, em que deu uma descrição pormenorizada da substância de que é feito o universo - das moléculas, dos átomos, dos elétrons e prótons disse:

"Para mim, a fé começa com uma compreensão de que uma inteligência suprema trouxe o Universo à existência e criou o homem. Não me é difícil ter esta fé, pois é fato incontroverso que onde há um plano, há uma inteligência, e um Universo ordenado se manifesta testificando da veracidade da mais majestosa declaração que já se fez: - No princípio ... Deus." - Publicado no Chicago Daily News, de 12 de abril de 1936.

22. Quando o Dr. Willis R. Whitney era diretor de pesquisas da General Electric Company, assim expressou suas convicções acerca da natureza do magnetismo e da eletricidade:

"Temos nossa teoria corpuscular da Lua, nossa teoria ondulatória e agora nossa teoria quântica, mas todas não passam de adivinhações educadas. Uma explicação quase boa como qualquer outra é dizer que a luz se propaga pela vontade de Deus."

E acrescentou: "Os melhores cientistas têm reconhecido que são apenas colegas de jardim-de-infância, brincando com mistérios; nossos antepassados foram e nossos descendentes serão." Relatado em The New York Times Magazine, 2 de novembro de 1930, p. 2.

23. Em seus estudos do Universo os cientistas estão atingindo a compreensão de que impenetráveis mistérios os defrontam a cada passo. Muitos deles percebem que dependem totalmente de Deus e de Sua Palavra para entenderem o verdadeiro significado e objetivo da vida. Muitos cientistas reconhecem o fato de que a verdadeira religião e a verdadeira ciência estão de pleno acordo.

 

A Ciência e a Edificação do Caráter

24. A ciência no passado foi a esperança da raça humana; hoje ela se transformou em monstruoso Frankenstein a equipar a humanidade com máquinas destruidoras, de poder assustador, que ameaçam aniquilar a civilização. Um grande estadista americano declarou: "A ciência foi reduzida ao triste estado de uma criada de força bruta." Eis o que disse um escritor e filósofo britânico: "A ciência conquistou para nós energia própria de deuses, no entanto nós apresentamos para uso dela a mentalidade de escolares ou de selvagens."

É fora de dúvida que não é a ciência, mas o uso errôneo que dela faz o homem pecaminoso, que tem causado o equívoco.

25. Muitas declarações de tal efeito impressionante poderíamos citar em testemunho de que a ciência falhou redondamente na elevação da humanidade e isso porque ela tem ignorado, com freqüência, uma coisa que é necessária, o único fator essencial - a edificação do caráter, a fibra moral e os valores espirituais. Como disse certo educador:

"Mas um caráter tal não é obra do acaso; nem se deve a favores e concessões especiais da Providência. Um caráter nobre é o resultado da disciplina própria, da sujeição da natureza inferior, pela superior - a renúncia do eu para o serviço de amor a Deus e ao homem.

26. Como compêndio de edificação do caráter, a Bíblia é sem igual; neste particular ela se eleva infinitamente acima da ciência. "O estudo de todos os livros de filosofia e ciência não pode fazer pela mente e a moral o que a Bíblia consegue realizar ao ser estudada e posta em prática. Por meio do estudo da Bíblia mantemos um intercâmbio com patriarcas e profetas. A verdade é exarada em linguagem elevada, que exerce fascinante poder sobre a mente; o pensamento é elevado das coisas terrenas para a contemplação da glória da futura vida imortal. Que sabedoria humana pode equiparar-se à grandeza da revelação divina?" E. G. White - Fundamentos de Educação, p. 130.

27. Como o corpo não pode subsistir sem nutrição, nem a alma pode prosperar sem o alimento espiritual que Deus proveu para nós em Sua palavra, Moisés, o antigo líder de Israel, declara como pura expressão da verdade:

"O homem não viverá só de pão, mas de toda palavra que sai da boca de Deus." Deuteronômio 8:3 (ARA).

E num dos salmos lemos: ' A revelação das tuas palavras esclarece, e dá entendimento aos simples." Salmo 119:130 (ARA).

28. Se o caro amigo leitor tomar a Bíblia como seu guia, discernirá a sabedoria e o amor de Deus nas benéficas leis manifestas em a Natureza. Reconhecerá em cada pulsação do coração uma evidência do Seu cuidado todo perscrutador. Será amparado pelo conhecimento de que Aquele que guia os planetas e os guarda em seus indicados circuitos através dos céus "pela grandeza do Seu poder" pode guiá-lo e o guiará através das vicissitudes da vida. O caro amigo será animado e confortado pelo pensamento de que Aquele que faz a vegetação brotar e as flores surgir em tão rica profusão, e cujo poder e amor estão constante e infalivelmente sendo exercidos em sustentar todos os objetos de Sua vasta criação, é capaz e está desejoso de guiar com cuidado e sustentá-lo a cada passo do caminho. Poder-se-ia exigir mais dEle?

 

INSTITUTO DA HERANÇA JUDAICA

Caixa Postal: 60836 - AG. C. Limpo

CEP  05788-360  /  São Paulo – SP

 

HOME