Make your own free website on Tripod.com

Monte Sinai

 
38 - Os Dois Concertos

 

 

 

1. JUSTAMENTE como a Bíblia apresenta duas leis, apresenta também dois concertos; um é imutável e eterno, o outro provisório, temporário. Muitas pessoas religiosas alegam que não é necessário guardar os Dez Mandamentos, pois vivemos agora no tempo pós-calvário, numa nova dispensação e sob o novo concerto. Em resultado disso, não se guarda o sábado do sétimo dia, mas observa-se, em vez, o primeiro dia da semana (domingo), em homenagem à ressurreição do Messias.

2. Realmente não há apoio bíblico para esse ponto de vista. Este estudo tem por objetivo demonstrar que, embora estejamos vivendo sob o novo concerto, é nosso dever e privilégio honrar e obedecer à lei divina dos Dez Mandamentos, inclusive o sábado do sétimo dia, desde o pôr-do-sol da sextafeira, até ao pôr-do-sol da noite de sábado.

3. A respeito dos concertos, notemos estas palavras das Escrituras Sagradas:

- "Eis que vêm dias, diz o SENHOR, e firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá. Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porquanto eles anularam a Minha aliança, não obstante Eu os haver desposado, diz o SENHOR, porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR. Na mente lhes imprimirei as Minhas leis, também no coração lhas inscreverei; Eu serei o seu Deus, e eles serão o Meu povo. Não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao SENHOR, porque todos Me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o SENHOR. Pois perdoarei as suas iniqüidades, e dos seus pecados jamais Me lembrarei." Jeremias 31:3134 (J).

Lemos aqui sobre o velho e o novo concerto. Em Hebreus 10:16, e Hebreus 8:7-13, no Novo Testamento, o autor repete o que fora dito por Jeremias séculos antes.

4. Sob o antigo concerto, a lei dos Dez Mandamentos fora gravada pelo dedo de Deus em duas tábuas de pedra, mas sob o novo concerto a mesma lei dos Dez Mandamentos está escrita na mente e coração do Seu povo.

Deus desejou escrever Sua lei no coração do Seu povo mesmo nos dias de Moisés. Ele disse:

- "Quem dera que eles tivessem tal coração que Me temessem, e guardassem em todo o tempo todos os Meus mandamentos, para que bem lhes fosse a eles e a seus filhos para sempre! Deuteronômio 5:29.

5. Para mostrar como o autor apostólico compreendia essa promessa do novo concerto, ele escreveu:

- "Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor. Nas suas mentes imprimirei as Minhas leis, também sobre os seus corações as inscreverei; e Eu serei o seu Deus, e eles serão o Meu povo." Hebreus 8:10.

6. Os pensamentos e ações do homem são determinados pelo que lhe passa pela mente e no coração. Por isso, se pela graça do Messias, nosso coração e mente são governados e regulados pela lei de Deus, então nossos motivos e conduta estarão de acordo com os Seus mandamentos.

7. Um concerto geralmente é uma promessa solene feita de mútuo acordo. Consideremos, pois, esta declaração bíblica:

- "Sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo [o Messias], conhecido, com efeito, antes da fundação do mundo, porém manifestado no fim dos tempos, por amor de vós." 1 Pedro 1:18-20.

Como é maravilhoso que o Deus do Céu entrasse num acordo que, se o homem caísse em pecado, se proveria um meio de escapar da pena de morte. Esse meio de escape foi provido quando Ele fez o concerto eternal com Seu Filho antes da fundação do mundo. Assim, o pecador que realmente se arrepende, podia ter esperança de sua redenção, mediante a salvação pelo Messias. Pois lemos:

- "Com o precioso sangue de Cristo [o Messias], como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o qual, na verdade, foi conhecido ainda antes da fundação do mundo." I Pedro 1:19-20.

8. Quando o SENHOR criou o homem, Ele o fez um ser de livre arbítrio, tendo a faculdade de escolher entre a justiça e a injustiça; podia o homem obedecer-Lhe ou desobedecer-Lhe. O homem podia pecar se assim o preferisse. Ademais, Deus, sendo onisciente, não dotava o homem de livre arbítrio, sem prover um remédio para o pecado, se caísse em pecado e se arrependesse sinceramente. Foi isto exatamente o que Ele fez. Reparemos o que diz o verso 19 desse remédio como sendo:

- "O precioso sangue de Cristo [o Messias], como de cordeiro sem defeito e sem mácula."

Em Apocalipse 13:8, o Salvador é referido como:

- "O Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo."

Isto revela que o concerto eterno, provendo-nos salvação mediante o sangue do Messias, foi feito pelo Pai e o Filho, antes de ser criado o homem. Antes da fundação do mundo, o Messias teve Sua vida empenhada em resgate do homem se ele pecasse.

9. Entretanto, o SENHOR não levou esse plano ao conhecimento do homem, senão depois de haver ele pecado. Isto é o segredo entre Deus e Seu Filho, e a Bíblia se refere a ele como:

- "O mistério guardado em silêncio desde a fundação do mundo." Romanos 16:25. Entretanto, esse mistério foi revelado em parte a Adão, e depois nos símbolos e sombras do sistema sacrifical. Mas foi revelado mais plenamente nos dias do Messias. Para ilustração, imaginemos um navio atravessando o oceano. Embora bem construído, ele leva consigo botes e cintos salva-vidas. Será que estes são providos porque o proprietário planejasse o afundamento do navio? Não. Porém, para salvar as vidas, no caso de acontecer algo que pusesse em perigo a vida dos passageiros.

10. Antes de criar o homem, Deus tomou providências para salvá-lo, caso ele caísse em pecado. Por isso, o Pai e o Messias entraram num concerto eterno, antes da criação do mundo.

- "O conselho de paz haverá entre Eles ambos." Zacarias 6:13 (L).

Nesse acordo com o Pai, o Messias prometeu que Ele ia ratificar o concerto com Seu precioso sangue, dando Sua vida para a salvação do homem.

"O salário do pecado é a morte." Romanos 6:23.

O Messias morreu por nós na cruz do Calvário, a fim de pagar a pena de nossos pecados.

- 11. Quando o homem pecou, foi-lhe pronunciada a pena da desobediência. Deus então revelou que havia um meio de escapar, mediante Alguém que havia de nascer de nossa carne. A esse respeito lemos, nas palavras dirigidas ao tentador, Satanás:

- "Porei inimizade entre ti [Satanás] e a mulher, entre a tua semente e a sua semente; esta [o Messias] te ferirá a cabeça e tu Lhe ferirás [ao Messias] o calcanhar." Gênesis 3:15 (L).

12. Kalisch, em seu comentário sobre o Gênesis, reconhece que a serpente representa Satanás. (Vol. 1, pág. 23, publicado por Longman, Brown, Green, Ongman e Roberts, em Londres, 1858.) O Targum de Jerusalém (ou palestiniano) afirma com ênfase que o esmagamento de Satanás seria feito pelo "Rei Meshiha" [Messias]. A Bíblia declara que:

- "Vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou Seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei." Gálatas 4:4.

13. Lemos também que Deus revelou Seu concerto a Noé:

- "Falou Deus a Noé, e a seus filhos com ele, dizendo: `Eis que estabeleço a Minha aliança convosco e com a vossa descendência."' Gênesis 9:8-9 (J).

Há dois concertos distintos mencionados na Bíblia: um, chamado "velho concerto" ou o "primeiro concerto'. Foi um pacto separado do "concerto eterno", embora ambos existissem lado a lado por cerca de 1.500 anos. O concerto eterno foi feito antes da fundação do mundo, mas não entrou em vigor senão quando o homem pecou, exatamente como um cinto salva-vidas não é utilizado enquanto não for necessário. Quando o homem pecou, as promessas do concerto eterno foram levadas a efeito. Mais tarde Deus reafirmou esse concerto eterno, com Noé.

14. A seguir, notemos que Deus tornou conhecido o Seu concerto a Abraão, a quem Ele disse:

- "Estabelecerei o Meu concerto entre Mim e ti e a tua semente depois de ti em suas gerações, por concerto perpétuo, para te ser a ti por Deus, e à tua semente depois de ti." Gênesis 17:7 (J).

15. No Salmo 105:8-10 (J), temos este registro:

- "Lembra-Se perpetuamente da Sua aliança, da palavra que empenhou para mil gerações; dá aliança que fez com Abraão, e do juramento que fez a Isaque, o qual confirmou a Jacó por decreto e a Israel por aliança perpétua."

16. Notemos que Deus diz que Ele confirmou Seu concerto "a Israel por concerto eterno". Notamos também em Jeremias 31:31-34 que Deus prometeu que faria um novo concerto com "a casa de Israel". Eis as Suas palavras:

- "Eis que dias vêm, diz o SENHOR, quando farei um concerto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá." Jeremias 31:31 (J).

Notemos também esta declaração em Hebreus 8:10, dizendo:

"Porque este é o concerto que farei com a ;asa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR, porei as Minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei."

Isto confirma o que lemos em Jeremias 31:31.

17. Há pessoas que acham que os crentes no Messias sejam gentios no sentido étnico da palavra, no qual a palavra usada hoje é goy. Mas, de acordo com a Palavra de Deus, todos os que crêem verdadeiramente no Messias, são israelitas no sentido espiritual que a Escritura Sagrada aplica a todos os que amam e adoram o Deus de Israel.

18. A Bíblia confirma a declaração acima. Lemos:

- "Se sois de Cristo (o Messias], então sois descendentes de Abraão, e herdeiros ,conforme a promessa." Gálatas 3:29.

19. Em Efésios 2:11-12, lemos:

- "Portanto, lembrai-vos de que outrora «os, gentios na carne, chamados incircuncisos por aqueles que se intitulam circuncisos, na carne, por mãos humanas, naquele tempo estáveis sem Cristo [o Messias 1, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo.

20. O fato é que um gentio descrente é uma pessoa sem o Messias. A maioria dos gentios dos tempos antigos era pagã e por esta razão se referia a eles como estando "separados da comunidade de Israel". Efésios 2:12. A Bíblia diz que "todo o Israel será salvo". Romanos 11:26. A palavra -Israel é aplicada a todos os que abandonam o pecado. Verdadeiro israelita é aquele que prevalece com Deus.

- "Porque não é judeu o que o é exteriormente; ... mas é judeu o que o é interiormente." Romanos 2:28-29.

21. Se já aceitamos o Messias, que é que somos? Somos crentes e verdadeiros israelitas. Se somos verdadeiros israelitas, então somos crentes verdadeiros.

- "E se sois de Cristo [do Messias], então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa." Gálatas 3:29.

22. Devemos agora notar cuidadosamente esta declaração, encontrada em Hebreus 8:13:

- "Dizendo Novo Concerto, torna antiquado o primeiro. Ora, o que se torna antiquado e envelhecido, está prestes a desaparecer."

23. Em Hebreus 8:7, lemos:

- "Porque, se aquele primeiro concerto tivesse sido sem defeito, de maneira alguma estaria sendo buscado lugar para segundo."

24. Qual era, então, a natureza do primeiro concerto feito com Israel? Está exposto na Bíblia nestes termos:

- "E subiu Moisés a Deus, e o SENHOR o chamou do monte, dizendo: Assim falarás à. casa de Jacó, e anunciarás aos filhos de Israel: Tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águias, e vos cheguei a Mim. Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a Minha voz, e guardardes o Meu concerto, então sereis a Minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a Terra é Minha; vós Me sereis reino de sacerdotes e nação santa. São estas as palavras que falarás aos filhos de Israel. Veio Moisés, chamou os anciãos do povo, e expôs {Diante deles todas estas palavras que o SENHOR lhe havia ordenado. Então o povo respondeu a uma voz: Tudo o que o SENHOR falou, faremos. E Moisés relatou ao SENHOR as palavras do povo." Êxodo 19:38 (J).

25. É este o concerto que Deus fez com os israelitas no Monte Sinai: Este é o velho concerto. Este pacto foi proposto três dias antes de pronunciados por Deus os Dez Mandamentos no Monte Sinai. Notemos agora que promessa fez o povo:

"Então todo o povo respondeu a uma voz e disseram: Tudo o que o SENHOR falou, faremos. E relatou Moisés ao SENHOR as palavras do povo." Êxodo 19:3-8.

Tal qual Pedro, eles essencialmente também disseram: "SENHOR, nunca Te negarei."

Mas antes que o galo cantasse três vezes, Pedro violou a promessa. O homem nada pode fazer sem o auxílio de Deus. O Israel antigo fracassou no cumprimento de sua promessa porque confiava em sua própria força. Mas Ele, em Seu amor e misericórdia, lembrou a Israel o concerto eterno.

- "Um melhor concerto que está confirmado em melhores promessas." Hebreus 8:6.

26. Volvendo a Êxodo 24:5-8, vemos que o velho concerto feito com Israel foi ratificado com o sangue de animais. E de acordo com Êxodo 32:1, 19, foi quebrantado dentro de 40 dias de sua ratificação. Imaginemos só, em menos de seis semanas depois de estabelecido o velho concerto, ele foi quebrado.

27. O concerto eterno foi feito entre o Pai e o Filho, antes da criação do mundo. Este concerto foi revelado a Adão, Noé e Abraão. É chamado o novo ou segundo concerto, porque foi ratificado pelo sangue do Messias, cerca de 1.500 anos após o outro concerto, o velho concerto ter sido ratificado pelo sangue de animais sacrificados junto ao Monte Sinai. A vigência do concerto eterno estende-se do Éden perdido ao Éden restaurado. Foi pré-ordenado antes da fundação do mundo, mas não se tornou necessário antes que o homem pecasse, no Jardim do Éden. Então as provisões do concerto eterno entraram em vigor.

28. O concerto eterno, ou novo concerto, não foi ratificado por sangue até o ano 31 da era cristã, quando da morte do Messias.

Quando Ele morreu, na cruz do Calvário, Seu sangue derramado ratificou o eterno, ou novo, ou segundo concerto. Mas que dizer do concerto feito junto ao Monte Sinai que foi ratificado no século XV antes da era cristã, pelo sangue de animais sacrificados? Este concerto era conhecido como o velho, ou primeiro concerto, e só vigorou até o tempo do Messias. O velho concerto, feito junto ao Monte Sinai, terminou ao morrer o Messias. Ora, a razão de ser chamado "o primeiro concerto" é porque foi ratificado primeiro. Quando foi ratificado o velho concerto? No século XV antes da era cristã, pelo sangue de animais. Quando foi ratificado o novo concerto? No ano 31 da era cristã, pelo sangue do Messias. Assim, o velho concerto foi ratificado cerca de 1.500 anos antes da ratificação do novo concerto. Repetimos que a razão por que o concerto eterno, ou novo concerto, é chamado "o segundo", reside no fato de ter sido ratificado posteriormente ao primeiro ou velho concerto.

29. Em Hebreus 8:6-7, lemos estas palavras:

- "Mas agora Ele [o Messias] obteve ministério tanto mais excelente, quanto é Ele também mediador de superior concerto instituído com base em superiores promessas. Porque, se aquele primeiro concerto tivesse sido sem defeito, de maneira alguma estaria sendo buscado lugar para o segundo."

30. O Messias é o Mediador do eterno, ou "melhor" concerto, porque foi estabelecido sobre melhores promessas. O velho concerto fracassou porque os homens que o subscreveram, falharam no cumprimento de suas promessas; mas as promessas que faz o concerto eterno, são certamente melhores promessas. O concerto eterno ou novo concerto tem êxito certo, porque repousa sobre melhores promessas - as promessas de Deus.

31. Em Deuteronômio 4:13 (H), Moisés disse:

- "Então vos anunciou ele o Seu concerto, que vos prescreveu, os Dez Mandamentos, e os escreveu em duas tábuas de pedra."

Portanto, a lei de Deus era a base do velho concerto. Moisés disse:

- "Eis aqui o sangue do concerto que o SENHOR fez convosco a respeito de todas estas palavras." Êxodo 24:8 (J).

32. Antes que alguém se torne cidadão de um país, ele tem que fazer um concerto com o governo daquele país. Tendo feito esse concerto, são-lhe concedidos os documentos de cidadania. Nesse ato, ele promete obedecer às leis do país. Será que a Constituição e as leis do país constituem o concerto que a pessoa faz com o governo? Certamente que não! Se ele deixa de cumprir as condições do concerto que havia feito com o governo a fim de obter seu título de cidadão, porventura ele anula assim a Constituição do país? Não. A Constituição e as leis do país são a base do concerto feito entre o governo e o indivíduo que é admitido à cidadania da nação; mas a Constituição não é o concerto que ele fez com o governo. O Estado. pode revogar seus documentos de cidadania e pode até deportá-lo, porém isto não torna sem efeito a Constituição do país.

33. Eis outra ilustração: um homem compra uma casa, por determinado preço. Qual é a base do concerto ou acordo que ele faz, ao adquirir a casa? A casa é a base do concerto. O preço da casa é de 500 mil cruzeiros. Portanto, ele entra em acordo, ou concerto, obrigando-se a pagar 50 mil cruzeiros de entrada e 50 mil por ano, até que a casa esteja paga. Mas suponhamos que, no quinto ano, a casa esteja paga pela metade e ele não tenha o dinheiro necessário para pagar o saldo. Ele não pode pagar mais; ele não consegue juntar a importância.

34. Isto significa que a casa deva ser queimada porque ele falhou? Não! A casa, base do concerto, não se destrói porque o comprador deixou de cumprir seu compromisso.

35. Em Hebreus 8:8, encontramos a razão:

- "E, de fato, repreendendo-os, diz: Eis aí vêm dias, diz o SENHOR, e firmarei novo concerto com a casa de Israel e com a casa de Judá."

Deus "repreendeu-os", quer dizer que achou falta no povo que prometeu:

- "Tudo o que o SENHOR falou, faremos." Êxodo 19:8 (J). Ver também Êxodo 24:3.

O SENHOR não diz que achou defeito na lei. Ela estava certa. Mas Ele faz um novo concerto, não uma nova lei.

36. O que é proposto no novo concerto? Deus diz que escreverá Sua lei em nosso coração e colocará em nossa mente. Em Ezequiel 36:25-27, Ele prometeu purificar o coração humano e habilitar o homem a obedecer a Suas leis. Em João 15:5, nos é dito que nada podemos fazer a não ser com a ajuda do Messias.

37. Sob o novo concerto, é Deus quem faz a promessa, é Ele quem nos habilita a sermos obedientes à Sua lei. Sob o velho concerto, o povo disse: "Tudo o que o SENHOR falou, faremos." Eles confiavam em suas próprias forças e falharam, exatamente como se deu com Pedro. Nada podemos fazer sem a graça e o poder do Messias.

38. Davi, em sua angústia, clamou ao SENHOR:

- "Cria em mim, ó Deus, um coração puro." Salmo 51:12 (H).

Nós não podemos purificar nosso próprio coração. Precisamos do Messias para fazê-lo por nós. Nós não podemos escrever a lei de Deus em nosso próprio coração. Mas o Messias o fará se deixarmos. Davi sabia que precisava o auxílio de Deus. Ele sabia que, sem o auxílio divino, ele jamais teria um coração puro.

39. Lemos novamente a predição:

- "Os justos herdarão a terra, e nela habitarão para sempre. A boca do justo profere a sabedoria, e a sua língua fala o que é justo. No coração tem ele a lei do seu Deus; os seus passos não vacilarão." Salmo 37:29-31 (J).

Onde deve estar a lei? No coração dos justos. 0 homem torna-se justo porque Deus lhe escreveu no coração a Sua lei. Sob o velho concerto, a lei foi escrita sobre pedra; sob o novo concerto, ela é escrita no coração.

40. Volvamos agora novamente a Hebreus 8:8-12 que diz:

- "E, de fato, repreendendo-os diz: Eis aí vêm dias, diz o SENHOR, e firmarei novo concerto com a casa de Israel e com a casa de Judá, não segundo o concerto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os conduzir até fora da terra do Egito; pois eles não continuaram na Minha aliança, e Eu não atentei para eles, diz o SENHOR. Porque este é o concerto que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR. Nas suas mentes imprimirei as Minhas leis, também sobre os seus

corações as inscreverei; e Eu serei o seu Deus, e eles serão o Meu povo. E não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao SENHOR; porque todos Me conhecerão, desde o menor até ao maior. Pois, para com as suas iniqüidades usarei de misericórdia,

e dos seus pecados jamais Me lembrarei."

41. Este é o concerto que Deus disse que faria com a casa de Israel. Assim, o novo concerto foi feito com a casa de Israel, imprimindo Ele a Sua lei no coração e na mente do indivíduo.

42. Inclui-se no novo concerto a observância do domingo?

"Irmãos, falo como homem. Ainda que um concerto seja meramente humano, uma vez ratificado, ninguém o revoga, ou lhe acrescenta alguma coisa." Gálatas 3:15.

A palavra "concerto" é sinônimo de " testamento".

43. Além disso, é-nos dito:

- Porque onde há testamento, necessário é que intervenha a morte do testador; pois um testamento só é confirmado no caso de mortos; visto que de maneira nenhuma tem força de lei enquanto vive o testador." Hebreus 9:16-17.

44. Em geral, o testamento de um homem não pode ser mudado depois que ele morre. De acordo com a Bíblia, em Hebreus 9:16-17, um testamento (ou concerto) não pode ser mudado depois da morte do testa dor. Se alguma mudança deve ser feita no testamento, deve ser levada a efeito enquanto o testador for vivo. Portanto, se o Messias, o Testador do Novo Testamento, tivesse pretendido fazer qualquer alteração

em Seu testamento, Ele a teria feito antes de Sua morte, não depois. Tendo morrido o homem, sua última vontade (ou testamento) não pode ser mudada.

45. Em que dia da semana morreu o Messias? Ele morreu numa sexta-feira; o domingo sucedeu dois dias depois. Quando foi ratificado o concerto eterno, novo, ou segundo? Na sexta-feira, o sexto dia da semana. 0 eterno, ou novo concerto, também conhecido como o segundo concerto, foi ratificado pela morte do Messias, o Testador, na sexta-feira. À luz destas considerações, é óbvio que a observância do domingo veio muito tarde para se tornar parte do novo concerto.

46. A respeito do costume do Messias, lemos:

- "Indo para Nazaré, onde fora criado, entrou,. num sábado, na sinagoga, segundo o Seu costume, e levantou-Se para ler." Lucas 4:16.

E o versículo 31 diz-nos que, depois de sair de Nazaré, Ele "desceu a Cafarnaum, cidade da Galiléia, e os ensinava no sábado".

Portanto, consoante o Novo Testamento, era costume do Messias assistir aos serviços religiosos no sábado e mesmo participar na liderança. Ele ensinava as pessoas no sábado. Vejamos também Marcos 1:2122.

Era Seu costume guardar o sábado. Logo, a guarda do sábado foi incluída pelo Messias no novo concerto.

47, Leiamos agora Mateus 24:20 e notemos o que o Messias disse aos Seus discípulos:

- "Orai para que a vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado."

Ele falava da queda de Jerusalém, que foi o clímax da guerra de 66-70 E.C., quase 36 anos depois da morte do Messias. Antevendo o futuro, Ele sabia que viria o tempo quando Seu povo teria que fugir para se salvar, e por isso recomendou: "Orai para que a vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado."

Por quase 35 anos depois da morte do Messias, os discípulos deviam orar pedindo que não tivessem que fugir de Jerusalém no inverno, nem no dia de sábado. Isto também mostra que o sábado era ainda o dia de descanso do novo concerto, quando morreu o Messias, o Testador.

48. Tentar inserir o domingo na lei do novo concerto, seria perpetrar uma falsificação. Devemos lembrar-nos de que a morte do Messias de maneira alguma anulou a lei do sábado do sétimo dia.

49. Leiamos o que o Messias fez em relação a esses dois concertos. Lemos:

- "Mas agora Ele [o Messias] obteve ministério tanto mais excelente, quanto é Ele também mediador de superior concerto instituído com base em superiores promessas. Porque, se aquele primeiro concerto tivesse sido sem defeito, de maneira alguma estaria sendo buscado lugar para o segundo. E, de fato, repreendendo-os, diz: Eis aí vêm dias, diz o SENHOR, e firmarei novo concerto com a casa de Israel e com a casa de Judá, não segundo o concerto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os conduzir até fora da terra do Egito; pois eles não continuaram na. Minha aliança, e Eu não atentei para eles, diz o SENHOR. Porque este é o concerto que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR. Nas suas mentes imprimirei as Minhas leis, também sobre os seus corações as inscreverei; e Eu serei o seu Deus, e eles serão o Meu povo. E não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao SENHOR; porque todos Me conhecerão, desde o menor até ao maior. Pois, para com as suas iniqüidades usarei de misericórdia, e dos seus pecados jamais Me lembrarei. Quando Ele diz Novo Concerto, torna antiquado o primeiro. Ora, aquilo que se torna antiquado e envelhecido, está prestes a desaparecer." Hebreus 8:6-13.

50. Reparemos que Deus achou falha no povo, mas não na Sua lei. E diz Ele que fez o novo concerto, "porque eles não continuaram no Meu concerto".

Em outras palavras, o povo hebreu não cumpriu o acordo que foi feito com o SENHOR Junto ao Monte Sinai. Daí, Ele fez um novo concerto com a casa de Israel é a casa de Judá.

51. É evidente, pois, que Deus, em Seu plano de estabelecer um novo concerto, não pretendia abolir a Sua lei. Não! Ele não propunha coisa semelhante, pois diz:

- "Mas este é o concerto que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR. Na mente lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei." Jeremias 31:33 (J).

Assim, em vez de remover ou abolir Sua lei, Ele faz sentir ao crente de nossos dias o que era realmente ensinado ao Israel antigo. Sob o novo concerto, Deus põe Sua lei no coração e no entendimento de Seus filhos.

52. Repetimos: o Messias não aboliu a lei de Deus. Ele disse, em linguagem bem positiva:

- "Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas: não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem uni i ou um til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra. Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos Céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos Céus." Mateus 5:17-19.

53. E em Mateus 3:15, lemos que o Messias disse a João:

- "Deixa por enquanto, porque assim nos convém cumprir toda a justiça." Desejando cumprir toda a justiça, o Messias não pensava em anular o cumprimento da justiça. Ele tencionava, sim, fazer ou desempenhar o que era direito.

54. Para comprovar além de qualquer sombra de dúvida que a lei dos Dez Mandamentos não foi abolida junto da cruz, disse o Messias:

-"É mais fácil passar o céu e aterra, do que cair um til sequer da lei." Lucas 16:17. Portanto, a lei de Deus é mais duradoura e mais permanente, do que a terra sob nossos pés e o céu sobre nossa cabeça.

55. A lei do novo concerto é a lei dos Dez Mandamentos. Segundo a Bíblia, toda coisa má que os homens fazem, é chamada pecado. O apóstolo João diz:

- "Toda injustiça é pecado." I João 5:17. Ora, que é pecado, segundo a Bíblia? 0 mesmo apóstolo assim define o pecado:

- "Todo aquele que pratica o pecado, também transgride a lei; porque o pecado é a transgressão da lei." I João 3:4.

56. Logo, a pessoa comete pecado quando transgride a lei de Deus. Isto está exatamente de acordo com o que Paulo diz, no tempo do novo concerto, nessas palavras:

- "Pela lei vem o conhecimento do pecado." Romanos 3:20.

E, em Romanos 4:15, ele diz que:

- "Onde não há lei, também não há transgressão."

Diz ele também:

- "Porque até ao regime da lei havia pecado do mundo, mas o pecado não é levado em conta quando não há lei." Romanos 5:13.

Assim, torna-se claro que não pode haver pecado quando não há lei a transgredir; e desde que há pecado no mundo hoje, isto é prova de que a lei de Deus ainda existe.

57. Que lei infringem os homens, quando cometem pecado? O apóstolo Paulo diz, em Romanos 7:7, qual é essa lei, pois diz ele:

- "Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum. Mas eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei; pois não teria eu conhecido a concupiscência, se a lei não dissera: Não cobiçarás."

Aqui ele se refere aos Dez Mandamentos, pois cita o décimo preceito do Decálogo o qual proíbe a cobiça. Reparemos no que ele diz:

- "Eu não teria conhecido a concupiscência se a lei não dissera: Não cobiçarás." Romanos 7:7.

58. Diz a Bíblia que pela boca de duas ou três testemunhas, um fato será confirmado. Há outra testemunha, o apóstolo Tiago, que também escreveu sob o novo concerto.

- "Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos. Porquanto, aquele que disse: Não adulterarás, também ordenou: Não matarás. Ora, se não adulteras, porém matas, vens a ser transgressor da lei. Falai de tal maneira, e de tal maneira procedei, como aqueles que hão de ser julgados pela lei da liberdade." Tiago 2:10-12.

Para mostrar qual a lei que tinha em mente, Tiago cita dois dos Dez Mandamentos: "Não cometerás adultério"; "Não matarás." Notemos também que ele fala em "toda a lei". Ele não fala de nove décimos (90%) da lei. Ele também chama a essa lei divina de "lei real". A lei dos Dez Mandamentos é a lei real que governa o eterno reino de Deus hoje, assim como o fez no passado.

59. Yeshua, o Messias, o Filho de Deus, jamais consentiria que os homens mentissem, assassinassem, furtassem, matassem, blasfemassem, desonrassem os pais, cometessem adultério, adorassem falsos deuses, prestassem culto a ídolos, cobiçassem, e profanassem o santo sábado do Senhor. Ele veio para salvar os homens de praticarem essas coisas. Lemos em Mateus 1:21 o que o Messias veio fazer pelos pecadores:

- "Chamarás o Seu nome Jesus (Yeshua): porque Ele salvará o Seu povo de seus pecados."

Veio Ele para livrar-nos da lei, ou veio para salvar-nos do pecado, que é a transgressão da lei? A Bíblia diz que Ele veio para salvar-nos do pecado, isto é, da transgressão da lei de Deus.

60. O homem que vos diga que ele é crente e que, porque o Messias morreu na cruz, o novo concerto lhe permita desobedecer aos Dez Mandamentos - desrespeitar o sábado e fazer todas as coisas proibidas na lei de Deus - esse homem está muitíssimo errado. Diz-nos João:

- "Ora, sabemos que O temos conhecido por isto: se guardamos os Seus mandamentos. Aquele que diz: Eu O conheço, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade. Aquele, entretanto, que guarda a Sua palavra, nele verdadeiramente tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nEle." I João 2:3-5.

E diz ainda o mesmo apóstolo:

- "Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus, quando amamos a Deus e praticamos os Seus mandamentos. Porque este é o amor de Deus, que guardemos os Seus mandamentos; ora, os Seus Mandamentos não são penosos." I João 5:2-3.

À luz destes importantes conselhos da Palavra de Deus, não devemos atender ao convite do Messias, de entregar-Lhe nosso coração, assim Lhe permitindo que nele entre, e deixar que Ele faça viver em nós a Sua lei dos Dez Mandamentos? Que o Deus de Abraão, Isaque e Jacó seja conosco ao meditarmos sobre este importantíssimo assunto. Confirmemos nossa vocação e eleição, seguindo o Messias e guardando todos os Seus mandamentos.

 

INSTITUTO DA HERANÇA JUDAICA

Caixa Postal: 60836 - AG. C. Limpo

CEP  05788-360  /  São Paulo – SP

 

HOME