Make your own free website on Tripod.com

Monte Sinai

 
33 - O Futuro Revelado para Mil anos por Profetas Judeus

 

 

 

1. UMA das mais lindas palavras na colorida língua hebraica é Shalom = ''Paz''. Conquanto tenha outras conotações, o sentido mais familiar e popular do termo é o da gentil e amiga saudação de ''paz'', como na expressão "paz seja convosco". Essa palavra Shalom - "Paz" - expressa um dos mais profundos e mais intensos anseios do coração humano, especialmente nesta época de potencial guerra total. Hoje a paz é o premio mais cobiçado dos milhões cansados de guerra.

Nosso Pai celestial nos assegura que Seus pensamentos para conosco são "pensamentos de paz". No Salmo 37:11 (H) lemos:

- "Os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na abundância da paz." Isto promete aos justos um novo estado de coisas no mundo, onde a paz reinará eternamente. É uma perspectiva sobremaneira atrativa.

2. Quando se realizará essa promessa? Antes de acontecerem as duas Guerras Mundiais, a primeira e a segunda, bem intencionados otimistas nos asseguravam de que o mundo alcançara, em sua constante evolução, o estágio onde estava disposto a descartar a guerra como instrumento de política nacional, e os homens estavam preparados a converter as "espadas em relhas de arados", e "suas lanças em podadeiras". (Isaías 2:4 (J). Mas em vez de gozar paz, o mundo passou a atravessar duas guerras globais e a possibilidade de outras ainda subsiste.

3. Não obstante a contínua ameaça de uma guerra nuclear pairar por sobre o mundo, ainda há visionários que nos asseguram de que as nações da Terra terão um dia os corações transformados e aprenderão "não fazer mais guerra". Eles vislumbram uma vindoura Utopia de amizade internacional e a conversão do mundo, que introduzirão o "milênio" - palavra que se tornou sinônimo de mil anos de paz.

Isto é mera fantasia, uma ilusão fundamentada na interpretação distorcida e desautorizada das Escrituras. Não nos deixemos enlevar por esses sonhadores utopistas. Paz internacional não é possível enquanto existir no coração dos homens a cobiça, o ódio e a volúpia do poder. Enquanto essas paixões más não forem erradicadas, é vã a esperança de paz mundial. 0 requisito indispensável para a paz mundial - a prática internacional da regra áurea - raramente está em evidência. Em seu lugar, nos defrontam a todo momento a inimizade, a discórdia e o conflito aberto. Abundam a confusão e o espírito de agressividade. Olhando aos nossos dias, o profeta (saías apresenta um quadro vívido da condição moral tão característica desta época. Diz ele:

- "Na verdade, a Terra está contaminada por causa dos seus moradores, porquanto transgridem as leis [de Deus], violam os estatutos, e quebram a aliança eterna." (saías 24:5 (H).

Falando profeticamente a respeito da nossa geração, diz a Escritura:

- "Os homens perversos e impostores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados." II Timóteo 3:13. Semelhante estado de coisas não engendra harmonia e paz entre os homens, antes cria os próprios elementos de conflito, violência e guerra, condições tão descritivas do mundo de hoje!

4. Em parte alguma da Bíblia se acha declarado que todo o mundo se voltará para Deus, ou que toda a humanidade se tornará tsaddiqim - homem justo. Ao contrário, as Escrituras declaram que duas classes - justos e ímpios - viverão até ao derradeiro fim do tempo, até a segunda vinda do Messias. Em S. Mateus 13:30 e 36:43, essas duas classes são representadas pelo "trigo" e o "joio'', que crescem juntos até ao tempo da ceifa. De acordo com as Escrituras, "a ceifa é o fim do mundo". S. Mateus 13:39.

A esta altura impõem-se-nos várias perguntas: Primeira: Que acontecerá aos justos que estiverem vivos quando o Messias voltar em poder e grande glória? Segunda: Que acontecerá aos ímpios que estiverem vivos nessa ocasião? Terceira: Que será dos incontáveis milhões de mortos - justos e ímpios - dos séculos passados? Qual será o seu destino, quando voltar o Messias? Muitas idéias, fantasiosas e fantásticas, têm sido aventadas sobre este assunto, para iludir os imprudentes. Mas não precisamos ser desencaminhados por esses aspectos errôneos, se tão-somente nos ativermos às Escrituras, que nos dizem:

- "À Lei e ao Testemunho! se eles não falarem segundo esta palavra, nunca verão a alva." Isaías 8:20 (H).

 

O Destino dos Justos

5. A respeito dos justos vivos e dos justos mortos, nos foi revelado:

- "Porquanto o Senhor mesmo, dada a Sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, e os que morreram em Cristo, ressuscitarão primeiro; depois nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor. Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras." I Tessalonicenses 4:16-18 (Gr.).

Em I Coríntios 15:51-53 lemos:

- "Eis aqui vos digo um mistério: Não dormiremos nós todos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar a última trombeta: Porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que este corpo corruptível se revista de incorruptibilidade e que o corpo mortal se revista de imortalidade. E quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Ó, sepultura, onde está a tua vitória?"

6. Estas passagens ensinam claramente que, quando o Messias voltar, sucederá a techiyyath ham-methim - a ressurreição dos mortos. Os justos mortos ressurgirão libertos de suas enfermidades físicas anteriores, enquanto os justos vivos com eles se transformarão, do seu estado mortal para o de imortalidade, e isto "num momento, num abrir e fechar de olhos". Todos os remidos de Deus aparecerão, então, na "formosura do Senhor", refletindo a perfeita imagem do divino, em corpo, alma e espírito. Assim glorificados, os justos de todos os séculos serão arrebatados, ao encontro do seu Senhor nos ares. Que gloriosa reunião será essa! Entes queridos e amigos, há muito separados pela morte, se reunirão para nunca mais se separarem. Não admira que se nos ordene "consolar-nos uns aos outros" com as preciosas promessas citadas acima.

''Os herdeiros de Deus... doravante devem estar sempre com o Senhor. Acham-se diante do trono com vestes mais ricas do que já vestiram os mais honrados da Terra. Estão coroados com diademas mais gloriosos que os que já foram colocados na fronte dos monarcas terrestres. Os dias de dor e pranto findaram para sempre. O Rei da glória enxugou as lagrimas de todos os rostos; removeu-se toda causa de pesar. Por entre o agitar dos ramos de palmeiras, brota um cântico de louvor, claro, suave e melodioso; todas as vozes se unem na harmonia até que a antífona reboa pelas abóbadas do céu: 'Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro.' E todo os habitantes do Céu respondem em uníssono. 'Amém. Louvor e glória, e sabedoria, e ação de graças, e honra, e poder, e força ao nosso Deus, para todo o sempre.' " - E. G. White, O Conflito dos Séculos, pág. 650.

7. A Bíblia refere-se à ressurreição dos justos como a primeira ressurreição. Citamos:

- "Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes a segunda morte não tem poder; mas serão sacerdotes de Deus e do Messias, e reinarão com Ele mil anos." Apocalipse 20:6 (Gr.).

Deste texto concluímos que os que tiveram parte na primeira ressurreição, não serão afetados pela segunda morte (conforme consta em Apocalipse 2:11), a qual sobrevirá aos ímpios; mas eles reinarão no Céu com o Messias, por mil anos. Em Apocalipse 20, lemos:

- "E vi tronos; e assentaram-se neles, e foi-lhes dado o poder de julgar,... e viveram e reinaram com o Messias durante mil anos." Verso 4 (Gr.).

8. A quem julgarão os justos? Segundo I Corintios 6:2-3, estes "hão de julgar o mundo", e julgarão "os anjos (caídos)''. Durante o período de mil anos, os justos assentados nos tronos do juízo, examinarão os registros dos anjos e dos homens ímpios. Nesses cadastros celestiais acham-se indelevelmente registrados todos atos que a qualquer tempo foram cometidos pelos impenitentes. Que coisas ocultas virão à luz naquele grande dia! À medida que as vidas secretas dos ímpios serão expostas à vista dos remidos, e revelados nas páginas desses livros celestes todos os delitos ocultos, todos desígnios, motivos e atos encobertos, e toda artificiosa dissimulação, serão esclarecidos muitos mistérios e muitos fatos até aí desconhecidos. A maldade dos ímpios aparecerá em toda sua enormidade.

Os justos então compreenderão melhor porque amigos, parentes, e mesmo pessoas professadamente religiosas não se encontram entre os remidos. Saberão porque os ímpios foram excluídos dos domínios da bem-aventurança e porque lhes foi negada a vida eterna. Tendo pessoalmente examinado os registros dos ímpios, os remidos jamais poderão nutrir a menor sombra de dúvida quanto à justiça de Deus em Seu proceder para com a raça humana. Sendo co-juízes de Deus, os justos também terão voz em determinar o grau de punição a ser imputado aos ímpios. Essa obra de investigação judicial levará mil anos.

9. Até aqui temos considerado o destino dos justos ao voltar o Messias, e sua obra durante os mil anos que se seguirão. Volvamos agora nossa atenção para a sorte dos ímpios! Quão incomparavelmente diverso será o destino deles! Enquanto os justos se rejubilarão com o aparecimento de seu Senhor, os ímpios chegarão a clamar às rochas e às montanhas implorando que caíssem -sobre eles para escondê-los da face d'Aquele a cujos apelos não atentaram e cujo amor desprezaram. Apocalipse 6:15-17. Nas palavras de conhecida autora:

"Aquela voz que penetra no ouvido dos mortos, eles conhecem. Quantas vezes seus ternos e suplicantes acentos os chamaram ao arrependimento! Quantas vezes foi ela ouvida nos rogos tocantes de amigo, de irmão, do Redentor! Para os que rejeitaram Sua graça, nenhuma outra voz poderia ser tão cheia de censura, tão carregada de denúncias, como aquela voz que por tanto tempo os exortou: 'Convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois por que razão morrereis?' [Ezequiel 33:11]. Quem lhes dera que a voz fosse de um estranho! Diz o Senhor: 'Clamei, e vós recusastes; estendi a Minha mão, e não houve quem atentasse; antes rejeitastes todo o Meu conselho, e não quisestes a Minha repreensão.' Provérbios 1:24-25. Aquela voz desperta memórias que eles gostariam de fazer desvanecer - advertências desprezadas, convites recusados, privilégios menosprezados." - E. G. White: O Conflito dos Séculos, pág. 642.

Na segunda vinda do Messias, os ímpios então vivos serão destruídos pelo fulgor do Seu aparecimento, e espalhados sobre a face do mundo inteiro. Não escapará nenhum deles que os lamentasse ou sepultasse. Lemos:

- "Ferirá a Terra com a vara de Sua boca, e com o sopro dos Seus lábios matará o ímpio." (saías 11:4 (J).

- Assim diz o Senhor dos Exércitos: Eis que o mal sai de nação para nação, e grande tormenta se levantará dos confins da Terra. E serão os mortos do Senhor naquele dia, desde uma extremidade da Terra até à outra extremidade da Terra; não serão pranteados, nem recolhidos, nem sepultados, mas serão como estrume sobre a face da terra.'' Jeremias 25:32, 33 (H).

- "Porque eis que o Senhor sairá do Seu lugar, para castigar os moradores da Terra, por causa da sua iniqüidade, e a Terra descobrirá o seu sangue, e não encobrirá mais aqueles que foram mortos." Isaías 26:21.

- "E então será revelado o Iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro de Sua boca, e aniquilará pelo esplendor de Sua vinda." II Tessalonicenses 2:8.

 

A Terra Desolada por Mil Anos

10. Que cena medonha de desolação apresentará este mundo durante aquele período de mil anos! Lemos:

- "Eis que o Senhor esvazia a Terra, e a desola.... De todo se esvaziará á Terra, e de todo será saqueada, porque o Senhor pronunciou esta palavra." Isaías 24:1, 3 (H). E mais:

- "Observei a Terra, e eis que estava assolada e vazia; e os céus e eles não tinham luz. Observei os montes, e eis que estavam tremendo; e todos os outeiros estremeciam... Vi também que a terra fértil era um deserto, e que todas as suas cidades estavam derribadas diante do Senhor, diante do furor da Sua ira. Porque assim diz o Senhor: Toda esta terra será assolada; de todo, porém, a não consumirei." Jeremias 4:23-27 (H).

Dessas passagens aprendemos que, na segunda vinda do Messias, a Terra será esvaziada de seus habitantes, ficando completamente despovoada. "Todas as cidades das nações", as quais vão se tornando rapidamente fossas de corrupção, serão niveladas ao solo, pelo impacto da volta do Senhor. Nossos grandiosos arranha-céus modernos, soberbos monumentos da ambição humana, tornar-se-ão um montão de escombros, aço retorcido e ferro velho. Naquele tempo horrível, montanhas e ilhas serão removidas do seu lugar, na presença do Senhor. A crosta ondulada da Terra arfará e se inflará com terríveis convulsões, e haverá completa escuridão. Por mil anos este mundo apresentará um vasto cenário de desolação, um ''abismo", "sem forma e vazia".

 

Satanás Amarrado por Mil Anos

11. Satanás, autor e instigador do pecado, ficará confinado a este mundo desolado e desabitado, durante esse período de mil anos. Em Apocalipse 20:1-3 lemos:

- "Vi descer do Céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos. E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que mais não engane as nações, até que os mil anos se acabem. E depois importa que seja solto por um pouco de tempo."

A palavra, "abismo" lembra-nos o estado desolado da Terra, como era "no princípio", quando ela era "sem forma e vazia" [tohu wa-bohu]; "e havia trevas sobre a face do abismo". Gênesis 1:2 (H).

A Terra escura, desolada e despovoada será a morada e cárcere de Satanás com os seus anjos maus, por mil anos. Então, ele não terá mais condições de tentar e atormentar a nenhum dos habitantes da Terra, porquanto todos os justos estarão fora do seu alcance, seguros nas cortes de glória, e todos os ímpios estarão mortos. Não restará ninguém sobre quem ele pudesse exercer seu poder. Sua obra de enganar e de cruel destruição, que por tantos séculos constituiu o seu deleite, haverá cessado então por completo. É neste sentido que ele será amarrado, figurativamente, por uma grande cadeia - a cadeia das circunstâncias. O verso 6 da Epístola de S. Judas, fala dos anjos caídos como estando "guardados sob trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande dia". Apenas com os pensamentos a acusá-lo, Satanás terá amplo tempo para refletir sobre o passado, presente e futuro, ao contemplar os desoladores efeitos da maldição do pecado.

12. No término dos mil anos, o Messias novamente voltará à Terra, acompanhado da hoste dos remidos, e a cidade celestial, a linda Nova Jerusalém, "descerá de Deus, do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido". Apocalipse 21:2. Segundo o profeta Zacarias, essa celestial Nova Jerusalém pousará sobre o atual sítio de Jerusalém:

- "E naquele dia, estarão os Seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; e o monte das Oliveiras se fenderá pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; e metade do monte se apartará para o norte e a outra metade dele para o sul." Zacarias 14:4 (H).

 

Os Ímpios Mortos Ressuscitam

13. A ressurreição de todos os ímpios mortos também ocorrerá nesse tempo. Lemos em Apocalipse 20:5 que "os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram". No sétimo versículo do mesmo capítulo, lemos: "E acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão"? e no versículo três nos é dito que será "por um pouco de tempo". A ressurreição dos ímpios mortos constitui o soltar de Satanás, pois assim ele pode novamente exercer seu poder e continuar sua nefasta obra enganadora sobre essa vasta multidão que tão deliberadamente se empenhou em seu serviço durante a vida.

Os ímpios saem da sepultura exatamente como para lá desceram. Não se operou neles nenhuma transformação de caráter durante o período de mil anos. Tendo rejeitado o Messias e aceito o governo de Satanás, esse líder rebelde, são agora seus cativos e escravos voluntários.

 

O Derradeiro Esforço de Satanás por Governar na Terra

14. Satanás reassume sua intensa atividade "por um pouco de tempo". Delineia planos de tomar posse da Nova Jerusalém celestial, com suas riquezas e ofuscante esplendor. Com as multidões de ímpios ao seu lado, "cujo número é como a areia do mar", Satanás comanda seu vasto exército e cerca a cidade. Em sua companhia há vultos de grande estatura e gigantesco intelecto, reis e guerreiros famosos por suas proezas militares. Ele engana suas hostes vangloriando-se ao dizer que, visto como suas forças excedem muito em número as que estão dentro da cidade, a vitória final lhe está assegurada. O profeta dá uma descrição viva dessa cena, em Apocalipse 20:8, 9, onde lemos:

- "E sairá [Satanás] para enganar as nações [dos ímpios] que estão pelos quatro cantos da Terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, reunindo-as para a batalha.

"E subiram por toda largura da Terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; mas desceu fogo do céu, e os devorou."

Com os justos no interior da cidade, e as hostes ímpias reunidas fora, todos os que já viveram na Terra se confrontarão pela primeira e única vez na história deste mundo. O destino de cada um é determinado irrevogavelmente, e um vasto abismo separa as duas classes. Quando os ímpios fazem um último e desesperado esforço para capturar a cidade, desce fogo do céu, vindo de Deus, e os devora. Esta completa e final destruição dos ímpios é chamada, nas Escrituras, "a segunda morte". Apocalipse 21:8. É uma morte que é eterna, da qual não haverá despertar. O mesmo fogo que consome os ímpios, também purificará a Terra de toda mancha de pecado.

 

Nós Somos Senhores de Nosso Próprio Destino

15. Cada um dos habitantes da Terra terá seu papel nesse drama final, conforme descrito em Apocalipse 20. Sempre havia apenas duas classes. Só duas classes haverá no início dos mil anos quando o Messias retornar. Se nessa ocasião nos acharmos entre os vivos, ou estaremos entre os justas que, olhando alegres para o alto, dirão: "Este é o Senhor, a quem aguardávamos; na Sua salvação gozaremos e nos alegraremos.'' Isaías 25:9 (H) - ou estaremos entre os despreparados que clamarão "aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós e escondei-nos do rosto d'Aquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro". Apocalipse 6:16.

Haverá somente duas maneiras de passar esse período de mil anos - o milênio, após a volta do Messias. Ou reinaremos com o Messias e Seu povo, na Jerusalém celestial, ou jazeremos com os ímpios na Terra desolada, sem ninguém a lamentamos, nem a sepultar-nos.

Ao final dos mil anos, ou estaremos entre as vastas hostes dos ímpios que assediarão a Nova Jerusalém tentando capturar a cidade e seremos devorados pelo fogo da ira de Deus, ou estaremos dentro da cidade com todos os justos, salvos e felizes para todo o sempre. Qual a classe que será a vossa naquele grande dia? A no interior da cidade, salvo para sempre, ou a cercando a cidade - para sempre perdida?

- "Então dirá o Rei aos que estiverem à Sua direita: Vinde, benditos do Meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo... Ele então dirá também aos que estiverem à Sua esquerda: Apartai-vos de Mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos." S. Mateus 25:34 e 41.

16. Cada um de nós deve optar por uma ou outra modalidade. Moisés falou assim:

- "Os céus e a Terra tomo hoje por testemunhas contra vós, que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua semente." Deuteronômio 30:19 (F).

O que devemos fazer para herdar a vida eterna, está claramente exposto no texto abaixo:

"A condição de ter a vida eterna é, agora, exatamente a que sempre foi - exatamente a que foi no Paraíso, antes da queda de nossos primeiros pais - perfeita obediência à lei de Deus, perfeita justiça. Se a vida eterna fosse concedida sob qualquer condição que não essa, correria então perigo a felicidade de todo o Universo. Estaria aberto o caminho para que o pecado, com todo o seu cortejo de desgraça e miséria, se imortalizasse." - E. G. White, The Jewish Messiah, pág. 52.

Aproxima-se rápido o dia do ajuste final. A nossa frente está a perspectiva de eterna bem-aventurança com infindáveis alegrias, ou a eterna separação de nosso Criador e de nossos queridos e tudo que nos é caro. Extinção eterna! Ser como se nunca existíssemos! Que grave pensamento! Todavia, nós mesmos somos senhores de nosso destino.

Todos nós já ouvimos ou lemos do naufrágio do transatlântico Titanic, verdadeiro palácio flutuante. Foi um dos mais tristes acontecimentos da história, em tempo de paz. O navio foi chocar-se contra um iceberg, e mais de mil passageiros, dentre eles muitas celebridades, desceram com o navio para a líquida sepultura. Declarou-se que a tremenda perda de vidas humanas foi causada principalmente pela falta de suprimento adequado de botes e cintos salva-vidas. Tão confiados estavam os armadores do navio na segurança e capacidade de flutuar do magnífico transatlântico, que acharam desnecessário completar seu equipamento de salva-vidas.

17. Este mundo está rapidamente submergindo, e está condenado à completa destruição. Quão gratos devemos ser a Deus, por ter tomado superabundante providência para a salvação de todos os que desejam ser salvos. Não há necessidade de ninguém perecer, pois o Senhor não quer "que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se." II S. Pedro 3:9. Ninguém precisa sofrer a "segunda morte", pois ainda pode-se ouvir o convite amável de Deus dizendo:

- "Vinde, e convertei-vos de todas as vossas transgressões, e a iniqüidade não vos servirá de tropeço. Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes, e criai em vós um coração novo e um espírito novo,... e vivei." Ezequiel 18:30-32 (H).

Como filho ou filha de Abraão, qual é a vossa resposta?

 

INSTITUTO DA HERANÇA JUDAICA

Caixa Postal: 60836 - AG. C. Limpo

CEP  05788-360  /  São Paulo – SP

 

HOME