Make your own free website on Tripod.com

Monte Sinai

 
40 - O Israel de D-US

 

 

 

1. A RESPEITO do lugar da adoração, diz Deus:

- "A Minha casa será chamada casa de oração para todos os povos." Isaías 56.7 (J). Isto foi registrado pelo profeta hebreu Isaías há muitos séculos. Esta passagem mostra com clareza que a casa de Deus não se destinava unicamente ao povo judeu, mas a todas as nações da Terra. Isto evidencia, de maneira inequívoca, que o plano de Deus pretendia que Israel tornasse conhecida aos gentios a Sua salvação. Lemos que, mediante seus esforços:

- "Todos os confins da Terra verão a salvação do nosso Deus." Isaías 52:10 (J). 2. A religião dada por Deus ao Israel antigo, é a verdadeira religião. Houve só uma nação que Deus chamou para uma missão especial, e essa nação era Israel. Isto se vê no propósito de Deus, anunciado a Abraão, quando Ele o chamou para fora de Ur dos Caldeus. Deus prometeu que faria dele uma grande nação, a fim de que, por ele e sua semente, todas as nações do mundo fossem abençoadas. Gênesis 12:1-3.

3. Foi esse o propósito divino de Deus ao chamar a Abraão. Fez com ele um solene concerto, e confirmou esse concerto com Isaque e Jacó. Era plano do SENHOR dar ao povo do mundo a religião do Céu, aquela pura e incorrupta religião por Ele ordenada. Isto Ele registrou nas Sagradas Escrituras. E essa mensagem de salvação devia ser dada pelo povo judeu a todos até aos confins da Terra.

4. Existe um só Deus e uma só Bíblia - a Palavra de Deus. Portanto, se todo o povo seguisse a Bíblia tal qual ela está escrita, haveria uma só religião no mundo inteiro. Reconhecendo, então, que a religião do Céu é a religião do verdadeiro Israel, essa religião deve conter as doutrinas que o SENHOR quer que creiamos e pratiquemos.

O propósito de Deus era que os descendentes de Abraão fossem o conduto, através do qual Ele pudesse abençoar todas as nações da Terra. Para realizar esse propósito, ele estabeleceu Israel em Canaã que era a encruzilhada do mundo antigo. Em contato com as nações vizinhas, poderiam transmitir-lhes o conhecimento do Deus verdadeiro. Assim, Ele revelou-lhes o Seu plano:

- "Naquele dia haverá estrada do Egito até à Assíria, os assírios irão ao Egito, e os egípcios à Assíria; e os egípcios adorarão com os assírios ao SENHOR. Naquele dia Israel será o terceiro com os egípcios e os assírios, uma bênção no meio da Terra; porque o SENHOR dos Exércitos os abençoará, dizendo: Bendito seja o Egito, Meu povo, e a Assíria, obra de Minhas mãos, e Israel, Minha herança." Isaías 19:23-25 (J).

5. Nada poderia ser mais claro. Essas palavras são tão simples que até uma criança pode compreendê-las. Deus declarou que tinha um propósito definido ao chamar a Israel. O Seu povo deveria ensinar o mundo inteiro a conhecer o único Deus verdadeiro e vivo. Eles deveriam levar Sua mensagem da santa Bíblia ao mundo todo. Se Israel tivesse cumprido a missão que lhe era confiada, o mundo inteiro teria o testemunho a respeito do Criador.

6. Alguém poderá perguntar: "Como isso teria sido possível?" À medida que continuarmos neste estudo, a resposta se tornará evidente. Entretanto, como resposta parcial a essa questão, leiamos:

- "Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a Minha voz, e guardardes o Meu concerto, então sereis a Minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a Terra é Minha; vós Me sereis reino de sacerdotes e nação santa." Êxodo 19:5-6 (J).

- "Porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, e da sua boca devem os homens procurar a instrução, porque ele é mensageiro do SENHOR dos Exércitos." Malaquias 2:7 (J).

Que honra a ser conferida a qualquer povo! Israel devia chamar-se uma nação santa, um reino de sacerdotes. Os sacerdotes, naqueles dias, eram homens que ministravam em assuntos espirituais. Hoje esses homens são conhecidos como rabinos ou clérigos. Isso realmente significa, pois, que, se os líderes dos assuntos espirituais de Israel tivessem realizado o plano de Deus, não só teriam sido conhecidos como sacerdotes, mas também o povo todo teria tido parte nessa obra sagrada. Uma nação de mestres das Escrituras Sagradas, uma nação de missionários, homens que teriam sido encontrados em todas as partes do mundo.

Foi dito a Israel que seriam um reino de sacerdotes a levar a todo o mundo a mensagem de um Deus vivo e verdadeiro, e Seu plano de salvação. Leiamos estas palavras solenes:

- "Eis que vos tenho ensinado estatutos e juízos, como me mandou o SENHOR meu Deus, para que assim façais no meio da terra que passais a possuir. Guardai-os, pois, e cumpri-os, porque isto será a vossa sabedoria e o vosso entendimento perante os olhos dos povos que, ouvindo todos estes estatutos, dirão: Certamente este grande povo é gente sábia e entendida. Pois, que grande nação há que tenha deuses tão chegados a si como o SENHOR nosso Deus, todas as vezes que O invocamos? E que grande nação há, que tenha estatutos e juízos tão justos como toda esta lei que eu hoje vos proponho?" Deuteronômio 4:5-8 (J).

7. Como são belas essas palavras! Como todos nós ansiamos que essa ordem de Deus tivesse sido obedecida por Israel! Deveriam ensinar todas as nações, ao mesmo tempo que eles mesmos deveriam ser obedientes. Leiamos de novo:

- "Guardai-os, pois, e cumpri-os, porque isto será a vossa sabedoria e o vosso entendimento perante os olhos dos povos que ouvirão todos estes estatutos." Verso 6 (L).

8. O propósito de Deus, então, era que todas as nações do mundo ouvissem os ensinos de salvação através do ministério de um povo dedicado. O povo hebreu mandaria missionários a todo o mundo, e viveriam a verdade de Deus. Assim, as nações O teriam reconhecido, e também o Seu grande plano, dizendo:

- "Por certo esta grande nação é gente sábia e entendida." Verso 6 (H).

- "Que grande nação há que tenha deuses tão chegados a si como o SENHOR nosso Deus, todas as vezes que O invocamos? E que grande nação há que tenha estatutos e juízos tão justos como toda esta lei que eu hoje vos proponho?" Versos 7, 8 (J).

9. Imaginemos qual seria o resultado se Israel tivesse levado a mensagem de Deus a todo o mundo. As nações teriam exaltado e louvado o Deus eternamente vivo. Que pena que nosso povo judeu falhou para com Deus neste respeito! Tivessem nossos antepassados procedido como Deus pretendia, Ele teria sido o escudo do nosso povo judeu através dos séculos, porque o mundo todo teria tido oportunidade de abraçar a religião de nosso Deus, conforme lemos nas Sagradas Escrituras, a Bíblia.

10. Vejamos se Israel teve o tempo e a oportunidade de ensinar ao mundo inteiro a mensagem de salvação de Deus, a religião da Bíblia. Quando Ele chamou Abraão de Urda Caldéia, disse que faria dele uma grande nação, e que por ele todas as nações da terra seriam abençoadas. Não era justamente a nação judaica que devia ser abençoada, mas todas as nações da Terra. Eles deveriam levar a mensagem do único Deus vivo e verdadeiro a todo o mundo; e, mediante suas atividades missionárias, o mundo teria tido oportunidade de aceitar a verdadeira religião de Israel.

11. Consideremos as cinco maiores religiões e comparemos a sua obra com a do povo judeu. Observemos cuidadosamente a tabela dessas religiões, a época de seu princípio e o número atual de seus membros, o censo.

 AS MAIORES RELIGIÕES - SEU COMEÇO E CENSO (Esta estatística é de 1973)

Religião

Começo

Censo

JUDEUS

Cerca de 1900 A.E.C.

     14.370.550

HINDUS

Cerca de   550 A.E.C

   477.658.000

BUDISTAS

Cerca de   550 A.E.C.

   267.665.000

CONFUCIONISTAS

Cerca de   525 A.E.C.

   305.445.000

CRISTÃOS

                 27 E.C.

1.024.106.500

MUÇULMANOS

               610 E.C.

   528.879.500

 

Nota-se que o povo judeu teve começo cerca de 1900 anos antes da Era Comum. Isto indica que o povo judeu teve seu começo com Abraão, aproximadamente 4.000 anos atrás; todavia, como mostra a tabela supra, os judeus contam somente 14.370.550. Temos que reconhecer, naturalmente, que o número reduzido de nossos membros é devido, em certa medida, às muitas perseguições que nos têm sobrevindo.

12. Vejamos agora os hindus, que tiveram seu começo principalmente com Brama, cerca de 550 anos A.E.C., ou aproximadamente 1.400 anos depois de Abraão. Todavia, eles totalizam 477.658.500, como resultado de sua propaganda, proselitismo, e sérias atividades. Os hindus têm aumentado em número tanto que já existem 477.000.000 deles no mundo. Imaginemos o que significa isto para nós judeus. Se nosso povo tivesse sido fiel à sua missão e tivesse propagado sua mensagem como fizeram os hindus, que tremendo impacto poderiam causar com suas atividades sobre o mundo todo!

13. Observemos novamente a tabela. Vemos aí que os confucionistas, que tiveram seu começo com Confúcio cerca de 525 A.E.C. ou aproximadamente 1.700 anos depois do povo judeu, contam mais de 305.445.000, ao passo que os judeus alcançam somente 14.000.000. Chegando a uma data posterior, 27 E.C., que é aproximadamente 2.000 anos depois do tempo de Abraão, foi aí que os cristãos tiveram início. Seu censo, que abrange os católicos romanos, os ortodoxos orientais, e os protestantes, conta cerca de 1.024.106.500 membros. Pensemos nisto. Os nossos antepassados tiveram começo perto de 2.000 anos antes dos cristãos, entretanto, contam mais de 1.024.000.000, ao passo que o censo dos judeus é de apenas 14.000.000. Imaginemos o grande número de seguidores que os cristãos têm atualmente, em comparação com o censo dos judeus. Certamente, é óbvio que nossos antepassados fracassaram na missão que Deus lhes confiara. Devemos lembrar-nos de que nosso povo judeu tinha a promessa da bênção de Deus e de Seu divino poder. Imaginemos o que teria acontecido se eles tivessem sido fiéis ao seu legado.

14. Agora, voltemos nossa atenção a outro item da tabela, o dos muçulmanos, que começaram com Maomé cerca de 610 E.C., ou seja, 2.500 anos depois do tempo de Abraão; entretanto, encontramos mais de 528.879.500 muçulmanos pelo mundo em nosso tempo. Frisamos de novo que judeus só há 14.000.000. Isto não é um fato digno de atenção?

15. Lembremo-nos de que Maomé era um homem de negócios na cidade de Meca, na Arábia, a mais de cem quilômetros a leste do Mar Vermelho. Mas Maomé alegava ser profeta de Deus e se pôs a converter o mundo. Em seus ensinamentos, como se vê no Alcorão, instrui seus seguidores que o mundo há de ser convertido ao islamismo. Obedecendo as instruções, saíram os prosélitos e muitas vezes se lançaram fanaticamente na atividade para realizarem seu objetivo.

16. Quando pensamos nos hindus, confucionistas, budistas, muçulmanos e cristãos, que juntos comportam uma grande parte da população do mundo, e que essas cinco religiões tiveram começo muito tempo depois dos dias de Abraão, que devemos pensar do progresso que a religião de Israel alcançou? Se os outros, com seus ensinamentos, puderam ganhar conversos em tão grande parte da população do mundo, que podem ter acontecido se Israel tivesse levado fielmente a mensagem de Deus aos confins da Terra?

17. É evidente, da tabela acima, que, tivessem nossos antepassados sido fiéis ao seu legado, uma vasta multidão teria abraçado a verdadeira religião de Israel, e então o mundo de hoje não teria tantos observadores do domingo, mas seria um mundo que guardaria o sábado, o sétimo dia da semana. Ademais, o mundo teria crido nos seguintes sete grandes princípios:

(a) Creriam no único Deus vivo e verdadeiro, Yahweh.

(b) Creriam no Messias único, Yeshua ha-Maschiach.

(c) Creriam na Bíblia una e única - a Palavra de Deus.

(d) Creriam nos Dez Mandamentos, a lei de Deus, e poriam em prática os seus princípios.

(e) Creriam no sábado e o observariam, do pôr-do-sol de sexta-feira até ao pôr-do-sol de sábado, como memorial do poder criador de Deus.

(f) Creriam nas leis sanitárias de Moisés e não estariam hoje comendo carnes proibidas (terefah) ou alimento imundo.

(g) Teriam crido na Regra Áurea: "Fazei aos outros o que quereis que vos façam."

18. Pensando nas grandes, gloriosas e áureas oportunidades que os nossos antepassados tiveram, quedamos admirados do que Israel poderia ter feito e no entanto deixou de fazer. Depois do pecado de Adão e Eva, a coisa mais patética, mais infeliz que aconteceu desde a criação, foi Israel ter faltado para com Deus. Israel poderia ter ensinado ao mundo a religião da Bíblia. Se isso tivesse sido feito, pensai só que multidões estariam hoje praticando a Regra Áurea: "Fazei aos outros o que quereis que vos façam." Por causa desse fracasso, porém, sobreveio repetidamente a Israel a calamidade. Nosso sofrimento provém do fato de que Israel falhou em seu dever de ensinar às nações o plano de Deus, de paz na Terra e boa vontade para com os homens.

19. Este fracasso em cumprir a missão que Deus lhes confiara, teve sua reação na vida espiritual dos judeus. Por causa disso, se desencaminharam, apostaram, e o ponto culminante veio em 70 E.C., quando Israel perdeu a pátria. Desde esse tempo, como sobejamente todos sabemos, temos sido peregrinos e estrangeiros em todas as partes do mundo.

20. Deus, pelos profetas hebreus, predissera que, nos últimos dias justamente antes da vinda do Messias, Ele ainda cumpriria o Seu propósito e suscitaria um povo para levar Sua mensagem a todo o mundo. Notemos que Deus deu a Israel estas palavras, conforme escrito em Jeremias 3:12-15 (H).

- "Vai, pois, e apregoa estas palavras para a banda do norte, e dize: Volta, à pérfido Israel, diz o SENHOR, e não farei cair a Minha ira sobre ti, porque Eu sou compassivo, diz o SENHOR, e não manterei para sempre a Minha ira. Tão-somente reconhece a tua iniqüidade, reconhece que transgrediste contra o SENHOR teu Deus e te prostituíste com os estranhos debaixo de toda árvore frondosa, e não deste ouvidos à Minha voz, diz o SENHOR. Convertei-vos, ó filhos rebeldes, diz o SENHOR; porque Eu sou o vosso esposo, e vos tomarei, um de cada cidade e dois de cada família; e vos levarei a Sião. Dar-vos-ei pastores segundo o

Meu coração, que vos apascentem com conhecimento e com inteligência."

21. Nestas palavras Deus revela a condição de decadência de Israel, mas não obstante o seu fracasso, Ele ainda realizaria Seu plano, mesmo que tivesse que suscitar outro povo para a Sua obra. Enviaria os Seus pastores para levar Sua mensagem às nações, e ao Seu próprio povo; esses mensageiros levariam o testemunho de Deus.

22. Notemos bem que Deus não disse:

- "Eu vos darei pastores do meio de vós.

Não; ao contrário, Ele havia de tirá-los de várias cidades, de diferentes famílias, do meio de um povo que abraçaria a verdade de Deus. Diz Ele:

- "E vos darei pastores segundo o Meu coração, que vos alimentem com conhecimento e inteligência."

Em outras palavras, o SENHOR suscitaria um povo que poderia não ser de judeus de nascimento, aias súdito de outras nações que realizaria o Seu propósito. Seus mensageiros serão pastores segundo o Seu coração, que alimentarão o Seu povo com conhecimento e inteligência. Nosso povo judeu se afastou da religião do seu Deus tanto que já não sabe muito de sua própria religião.

23. Ora, consideremos melhor este ponto:

- "... a Não-meu-povo direi: Tu és o Meu povo; e ele dirá; Tu és o meu Deus!" Oséias 2:23 (H).

É, pois, evidente que Deus suscitará um povo que antes não era Seu povo, mas que se tornaria Seu povo, de modo que diria:

"Tu és o meu Deus!"

0 povo das nações que outrora não era o Seu povo, Deus suscitou para proclamar Sua mensagem que Israel falhou em levar a todo o mundo. Tivesse Israel sido obediente a Deus, a dispersão de 70 E.C. nunca teria ocorrido. Mas Israel não O reconheceu quando Elé veio com seu próprio Messias. Assim, hoje, os que guardam os Dez Mandamentos de Deus e que se atêm ao testemunho do Messias de Israel, estão se empenhando em comunicar esse conhecimento aos filhos de Abraão.

24. Ainda como outra evidência, leiamos: o "Fui buscado dos que não perguntavam por Mim; fui achado daqueles que não Me buscavam; a um povo que não se chamava do Meu nome, Eu disse: Eis-Me aqui, eis-Me aqui." Isaías 65:1 (H).

O que poderia ser mais claro do que esta passagem bíblica? Deus diz: "Eis-Me aqui, a um povo que não se chamava do Meu nome."

Esta passagem torna claro que Deus suscitaria um outro povo, não um que O buscava, mas um a qual Ele buscaria, conforme disse:

"Fui encontrado dos que não Me buscavam."

25. Das passagens acima, sabemos agora que Deus predisse que, nos últimos dias, justamente antes da vinda do Messias, o Rei dos reis, Ele suscitaria um povo que levasse Sua mensagem a todo o mundo. Para descobrir qual é esse povo, devemos buscar os que se atêm fielmente aos princípios da verdadeira religião de Israel, assim como é ensinada na Santa Bíblia, a Palavra de Deus.

26. Ao examinar vários grupos religiosos, encontramos um cujos adeptos podem realmente ser chamados verdadeiros israelitas. Vamos repetir as sete características de identificação:

(a) Crêem no único Deus vivo e verdadeiro, YHWH (Yahweh).

(b) Crêem no único Messias, Yeshua ha-Maschiach.

(c) Crêem na Bíblia una e única - a Palavra de Deus.

(d) Crêem nos Dez Mandamentos, a lei de Deus.

(e) Crêem no sábado e o observam, do pôr-do-sol de sexta-feira até ao pôr-do-sol de sábado.

(f) Crêem nas leis sanitárias de Moisés, e, assim, não comem "terefah".

(g) Crêem na Regra Áurea: "Fazei aos outros, assim como quereis que vos façam."

27. Para encontrarmos a verdadeira religião, assim como o verdadeiro Israel de Deus, devemos descobrir um povo que em seus ensinos reconheça esses sete princípios. Mas onde se encontra um povo assim? Um estudo cuidadoso revela o fato que existe somente um grupo que segue esses princípios. É o povo conhecido como Adventistas do Sétimo Dia. Eles se consideram israelitas espirituais, porque crêem e praticam os princípios bíblicos da religião de Israel. Entre esses israelitas espirituais ou judeus espirituais, encontramos tanto judeus como gentios. Mas, quer sejam judeus, quer sejam gentios, eles aceitaram a religião original de Israel, eles são israelitas espirituais.

28. Usamos o termo "espiritual" porque, embora homens e mulheres tenham nascido judeus, isto não quer dizer que eles automaticamente tenham a vida eterna. Independentemente do nascimento, nacionalidade ou raça não salvam e não podem salvar a alma. É aceitando, pela fé, o plano de redenção de Deus, conforme ensinado nas Santas Escrituras, que nos tornaremos aptos para ocupar um lugar no Seu eterno reino.

Portanto, mesmo que tenhamos nascido judeus, devemos tornar-nos israelitas espirituais. Temos de alcançar uma disposição espiritual, para que possamos viver pela eternidade, num mundo sem pecado. O mesmo se aplica aos gentios.

29. Deus declara por Seu profeta:

- "Minha casa será chamada casa de oração para todos os povos." (saías 56:7 (J). Isso abrange judeus e gentios. Mas pode um gentio tornar-se judeu? Fisicamente, na carne, não, porque ele não nasceu fisicamente judeu. Mas aceitando a religião da Bíblia, a verdadeira religião de Israel, ele se torna um judeu espiritual. Isto somente dálhe o direito de ter um lugar no eterno reino de Deus.

30. Encontramos estas verdades ensinadas também no Novo Testamento. Em Gálatas 3:29, lemos:

"Se sois de Cristo, também sois descendentes de Abraão, e herdeiros segundo a promessa."

Parafraseando isto, diríamos:

- "Se sois seguidores do Messias, então sois israelitas e herdeiros segundo a promessa."

Deve ser lembrado que a promessa aqui mencionada é a promessa feita a Abraão. 31. Leiamos agora Efésios 2:11-12, e notemos o que o Senhor diz aos gentios:

- "Portanto, lembrai-vos de que outrora vós, gentios na carne, chamados incircuncisão... naquele tempo, estáveis sem Cristo [o Messias], separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo."

A quem foram dirigidas essas palavras? A uma congregação que consistia principalmente de gentios. Convém notar que um gentio sem o Messias não pertencia à comunidade de Israel, e era estranho aos concertos da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo. Portanto, o gentio sem o Messias está sem Deus no mundo. É um estranho, ou estrangeiro, separado da comunidade de Israel, e estranho aos concertos da promessa que Deus deu a Abraão, Isaque e Jacó. Assim vemos que o próprio Novo Testamento ensina que os gentios devem tornar-se israelitas se quiserem ser judeus espirituais e participantes da vida eterna.

32. Quando o povo judeu decepcionou a Deus, desrespeitou os princípios vitais de sua fé, e falhou em sua missão de levar a verdade ao mundo, Ele suscitou o povo que seria o Israel espiritual. São conhecidos como Adventistas do Sétimo Dia. Chamam-se "do Sétimo Dia" porque guardam o sábado, o sétimo dia da semana. Chamam-se "Adventistas" porque crêem na breve vinda ou advento do Messias como o Rei dos reis. Em seu zelo, esses judeus espirituais se dedicam religiosamente a levar a mensagem de Israel a todo o mundo. Em resultado de suas atividades, é digno de nota, cada ano, aproximadamente 200.000 gentios são convertidos à religião das Santas Escrituras. Esses crentes são dedicados seguidores da religião de Israel. Não pode se tornar membro da congregação adventista quem trabalha no sábado ou come alimento condenado por Moisés no Torah. Todos os membros são instruídos a serem piedosos e devotos seguidores da Bíblia Sagrada, e pela graça divina devem guardar os mandamentos de Deus. Poderíeis desejar um judeu melhor que um bom adventista? Por que procedem assim? Os adventistas assim procedem por seu amor e dedicação a Deus. Não crêem que o homem é salvo peIas obras da lei, mas sim, pela fé no Messias. E, por amarem a Deus, respeitam a Sua lei e procuram ser obedientes aos seus preceitos. A graça de Deus, que lhes veio ao coração ao aceitarem o Messias, leva-os a prestar, com alegria, obediência amorável ao Deus verdadeiro.

33. O povo Adventista do Sétimo Dia não surgiu pelo empenho de um só homem. Nos meados do século dezenove, houve um grande despertamento religioso. Levou muita gente, em várias partes da Europa. Ásia, América do Norte, América do Sul, e na Austrália, a proclamar essa mensagem do advento, convocando o povo para a verdadeira religião de Israel.

34. Na Europa, surgiram pessoas que se puseram a ensinar as doutrinas da Bíblia Sagrada, e a escrever sobre elas. Esses escritos foram mandados para a América; e os americanos enviaram seus escritos para a Europa. Em pouco tempo, pessoas de ambos os lados do Atlântico perceberam que estavam proclamando a mesma mensagem. Embora separados entre si, os homens proclamavam a mesma verdade maravilhosa. Logo em seguida, e em resultado desses contatos, agruparam-se numa corporação religiosa, conhecida como Adventistas observadores do sábado, mais tarde denominados Adventistas do Sétimo Dia. É este o povo que hoje está proclamando a mensagem de Israel a todo o mundo. Esta é a mensagem que o Israel de outrora deixou de proclamar, e agora, mesmo gentios tementes a Deus estão aceitando essa mensagem, na proporção de mais de 200.000 por ano.

35. Muitos estarão interessados em saber que entre os Adventistas há inteiras congregações de judeus, conhecidas como Congregação Hebréia Adventista. Uma delas se acha localizada na cidade de New York, 410 West 45th Street. Alguns membros desta congregação empenham-se ativamente em dirigir este curso de estudos bíblicos.

36. Queira o Deus de Israel ajudar a cada um de nós a Lhe entregarmos a vida, criando em nós também um sincero desejo de unir-nos às fileiras do Seu povo, o Israel espiritual, o verdadeiro Israel de Deus.

NOTA MONTE SINAI: A Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) nasceu de um movimento profético porém, hoje, mais de um século depois, está em um movimento de apostasia pois deixou suas bases doutrinais do DEUS único para abraçar a doutrina pagã da trindade católica... No entanto, DEUS, em Sua benevolência, tem preparado, juntamente com os irmãos judeu-messiânicos, um Israel espiritual (144.000) para recebê-Lo nas nuvens em Sua Breve vinda: São os irmãos do MOVIMENTO LEIGO que pelo mundo todo tem-se levantado contra as imposições da corporação adventista. Muitos tem sido vituperado, execrado , difamado e por fim excluídos de seus quadros; mas, como Pedro, temos dito: Importa antes obedecer a DEUS do que aos homens... - Atos 5:29.

Maranatha!!!

 

HOME