Make your own free website on Tripod.com
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 .

 

Monte Sinai

A Festa da Páscoa!

 

 

A Páscoa/Pósqayao deve ser celebrada no 14º dia do primeiro mês do ano, pelo calendário hebraico. A ordem de O CRIADOR, neste sentido, encontra-se em Êxodo 12:1-14 e em Levítico 23:4-5.

A doutrina ligada à Páscoa/Pósqayao é a da redenção. Redenção tem a ver com libertação dos escravos. Em seu significado histórico, a Páscoa/Pósqayao alude à libertação que o CRIADOR concedeu a Seu povo Israel/Yaoshoul’ita, da escravidão no Egito, relatada no livro de Êxodo. O CRIADOR livrou os Israel/Yaoshoul’itas na noite da décima praga, que foi a da morte de todos os primogênitos dos egípcios. Este livramento de morte foi obtido através do sacrifício de um “cordeiro”, com a aspersão do sangue nas ombreiras e vergas das portas, assim marcando as casas e protegendo o povo de O CRIADOR. O termo Páscoa/Pósqayao vem do original Hebraico, Pósqayao, que significa, literalmente "passar sobre", referindo-se ao anjo da morte que, ao ver o sangue do cordeiro nas casas Israel/Yaoshoul’itas, dirigia-se a outra, passando sobre ela.

Nesta época os escravos eram os Yaoshoul’itas [hebreus], que não tinham como alcançar sua liberdade, e necessitavam de alguém que fizesse isto por eles. E foi isto que UL/Criador fez por Israel/Yaoshoul’ita. Toda redenção acontece porque um preço é pago. Neste caso, a fiança foi o sangue do cordeiro da Páscoa/Pósqayao. Os Israel/Yaoshoul’itas foram resgatados da morte e da escravidão egípcia, para passar a pertencer a outro dono, ao CRIADOR. A verdadeira redenção significava que eles estariam livres dos cruéis egípcios para servir ao CRIADOR vivo.

O mesmo se passa conosco: o pecado em nossas vidas é tão dominante que somos descritos não só como escravos dele, em Romanos 6:17-18, como também, espiritualmente mortos nele, em Efésios 2: 5-6. Em nosso caso também havia a necessidade de que outra pessoa nos libertasse, assim como de que um resgate fosse pago. Yaohushua hol’Mehushkháy, que sempre celebrou a Festa da Páscoa/Pósqayao, naquele ano, ofereceu-se em sacrifício, como o "Cordeiro do CRIADOR", assinalando bem o significado espiritual da Páscoa/Pósqayao, ao libertar de seus pecados todo aquele que n'Ele crê. Aprendemos então que, pela nossa redenção, não somos livres para fazer o que desejamos. Nós agora pertencemos a Yaohushua, porque nossa libertação da escravidão de nossos pecados foi paga com o Seu sangue [At 20:28]. Esta situação é confirmada pela palavra de O CRIADOR, em I Coríntios 6:19-20 - "Não aprenderam já que o vosso corpo é a morada do RÚKHA HOL’HODSHUA (YAOHUH, o Santo)  que UL vos deu e que vive portanto em vocês. Por isso o vosso corpo não vos pertence. Porque o Criador vos comprou por um preço elevado. Sendo assim, usem todo o vosso ser, tanto o corpo como o espírito, para a Glória de UL, porque a ele pertencem. [Leia Jo 14:21]. Apocalipse 3:20 nos diz quem é este Espírito que habita em nós: Cristo, em espírito!

1. O que é a Páscoa/Pósqayao: Páscoa/Pósqayao no hebraico é pósqayao que significa passagem ou passar por cima: "...é a Páscoa/Pósqayao de UL/Criador" (Ex.12:11), "Porque UL/Criador passará para ferir os egípcios..." (Ex.12:23), "É o sacrifício da Páscoa/Pósqayao ao UL/Criador que passou por cima das casas dos filhos de Israel/Yaoshoul’ita..." (Ex.12:27).

2. O Dia da Páscoa/Pósqayao: A festa começa com a morte de um cordeiro como oferta pelo pecado (Ex.12:2,6), no dia 14 do mês de abibe, que significa espigas verdes (Lv.23:15; Ex.13:4). Durante o exílio foi substituído pelo nome nisã (Ne.2:1) que significa começo ou abertura. Corresponde a março-abril em nosso calendário. A Páscoa/Pósqayao foi instituída para se realizar um dia antes dos pães asmos que também seriam mais um sábado cerimonial... (Lv.23:6) e dois dias antes das Primícias (Lv.23:12). Daí os três dias e três noites citado por Yaohushua (Mt 12:40), aos quais Ele ficaria na sepultura.

Nota de o Caminho: A ICAR instituiu erroneamente que o Messias morreu em uma sexta-feira e ressuscitou em um domingo, indo de encontro às Escrituras e principalmente à Palavra do Messias que Ele ficaria no seio da terra três dias e três noites...

3. A Hora da Páscoa/Pósqayao: O dia civil judaico (período de 24 horas) se inicia às 18:00 horas e termina às 18:00 horas subseqüente (ao pôr-do-sol, mais precisamente). A noite vem primeiro que o dia, pois na criação do mundo o primeiro dia começou com a escuridão que foi transformada em luz: "Chamou O CRIADOR à luz dia, e às trevas noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia" (Gn.1:5). Daí em diante cada período de 24 horas foi indicado sucessivamente como "tarde e manhã" (Gn.1:5,8,13,19,23,31; 2:2).

O dia natural judaico (12 horas), isto é, o intervalo entre a aurora e o crepúsculo (06:00 às 18:00hs), era dividido em três partes: manhã, meio-dia e tarde (Sl 55:17). Os judaicos distinguiam duas tardes no dia: a primeira ia das 15:00 às 18:00 h., e a segunda se iniciava ao pôr do sol (18:00 h.), indo até a escuridão da noite, aproximadamente às 19:00 h. (Mt.14:15 e 23). O sacrifício da Páscoa/Pósqayao era oferecido "no crepúsculo da tarde" (Lv 23:5; Nm 28:4,8). A passagem faz referência à primeira tarde (15:00 às 18:00 h.). A segunda tarde, que se iniciava às 18:00 horas, e a manhã, que tinha início às 06:00 horas, juntos formavam um dia (Gn.1:5).

4. O Local da Páscoa/Pósqayao: Posteriormente O CRIADOR requereu que a Páscoa/Pósqayao só fosse realizada em um local por Ele determinado "Então sacrificarás como oferta de Páscoa/Pósqayao ao UL, teu O CRIADOR, do rebanho e do gado, no lugar que UL/Criador escolher para ali fazer habitar o seu nome. Não poderás sacrificar a Páscoa/Pósqayao em nenhuma das tuas cidades que te dá UL/Criador teu O CRIADOR. Senão no lugar que UL/Criador teu O CRIADOR escolher para fazer habitar o seu nome, ali sacrificarás a Páscoa/Pósqayao à tarde, ao pôr do sol, ao tempo em que saíste do Egito. Então a cozerás, e comerás no lugar que UL/Criador teu O CRIADOR escolher..." (Dt.16:2,5-7).

5. Evento correspondente no NT [A Renovação da Aliança em hol’Mehushkháy]: Redenção: (I Co. 5:7; Ef.5:2; I Pe 1:19; II Co.5:21; Gn.4:7)

O que é a Redenção:

O evento correspondente à Páscoa/Pósqayao no NT é a redenção. Assim como um cordeiro foi sacrificado no dia da Páscoa/Pósqayao para a libertação dos judaicos do Egito, Cristo foi sacrificado para a libertação dos nossos pecados: "...Ele salvará o seu povo dos pecados deles" (Mt.1:21); "...pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados" (Ap.1:5); "...Cristo, nosso cordeiro pascal, foi imolado" (I Co.5:7). Cristo se fez oferta pelo pecado. Há uma perfeita identificação entre o pecado do crente e a oferta pelo pecado (Jo.3:14). Esta identificação é ainda mais evidente no Antigo Testamento, pois "a palavra hebraica hattâ't (hattâ't) usada para traduzir pecado é derivada de uma forma verbal que significa purificar, de modo que o substantivo significa um sacrifício que obtém a purificação."

Desse modo o texto de Gênesis 4:7 fica com mais sentido: "...se, todavia, procederes mal, eis que o (a oferta pelo) pecado jaz à porta... ...a ti cumpre dominá-lo (domá-lo)" (Gn.4:7). Esta identificação também pode ser vista no NT: "Aquele que não conheceu pecado, ele o fez (oferta pelo) pecado por nós..." (II Co.5:21). Este era o método usado pelO CRIADOR, desde os tempos de Adão, para perdoar os pecados: O sangue deveria ser derramado "Porque a vida da carne está no sangue. Eu vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação (kafer - kafer = cobertura - veja Gn.3:21 e 6:14) pelas vossas almas; porquanto é o sangue que fará expiação em virtude da vida" (Lv.17:11). Por isso "...sem derramamento de sangue não há remissão" (Hb.9:22). No tempo do Antigo Testamento o sangue dos animais apenas cobriam os pecados. O sangue de Cristo tira o pecado do mundo (Jo.1:29).

O Dia do Sacrifício de Cristo: Cristo foi crucificado numa quarta-feira (Mt.27:62; Mc.15:42; Lc.23:54; Jo.19:14), às 09h00, isto é na "hora terceira" (Mc.15:25). Das 12h00 às 15h00, isto é, da hora sexta à hora nona, houve trevas sobre a terra (Mt.27:45; Lc.23:44-46). Depois disso Ele rendeu o espírito, no período entre 15h00 e 18h00. Este período compreendido entre a hora nona (15h00) e o pôr do sol (18h00), no qual Yaohushua morreu é o mesmo período designado para o sacrifício da Páscoa/Pósqayao, ou seja, no crepúsculo da tarde, (Lv.23:5; Nm.28:4,8).

OBS: Marcos 16:1 nos mostra que as passagens acima referem-se ao sábado cerimonial dos pães asmos - Solicite um estudo esclarecedor sobre o dia em que Yaohushua morreu...
A Hora do Sacrifício de Cristo: Tudo indica que Yaohushua morreu após às 15:00 horas, que é a hora nona (Lc.23:44-46). Assim sendo, é possível que Yaohushua tenha morrido entre 15:00 e 17:00 horas e tendo sido sepultado aproximadamente após as 17:00 horas (Mc 15:42), pois o sábado cerimonial iria começar ao pôr-do-sol daquele dia (Lc.23:54), e a Lei Judaica proibia o trabalho aos sábados (cerimoniais e moral) e a permanência de um corpo morto na cruz (Dt.21:22,23; Jo.19:31). Assim sendo, a morte de Yaohushua foi mais rápida do que se esperava (Mc.15:44). Isto ocorreu por 3 motivos: (1) Yaohushua é o Cordeiro Pascal, e como tal deveria morrer no mesmo período do sacrifício da Páscoa/Pósqayao (Ex.12:6); (2) Suas pernas não poderiam ser quebradas para acelerar a sua morte (Jo.19:32,33; Ex.12:46; Nm.9:12; Sl.34:20); (3) Seu corpo não poderia permanecer no madeiro (Dt.21:22,23).

A Páscoa/Pósqayao foi realizada na quarta-feira, porém, a Páscoa/Pósqayao que Yaohushua participou e que substituiu a Páscoa/Pósqayao judaica pela cerimônia da Santa Ceia, aconteceu na véspera, ao pôr-do-sol da terça-feira. Três dias depois da Páscoa/Pósqayao judaica, os judaicos deveriam comemorar a festa das primícias (Lv.23:12). Esta festa indicaria a ressurreição, após três dias. O primeiro molho de trigo que fosse colhido, isto é, as primícias, deveria ser movido perante UL/Criador (Lv.23:10,11). Este mover do trigo era símbolo da vida que, ao contrário de um animal morto, inerte e sem movimento, se expressa pelo mover da vida (At.17:25,28). Na ressurreição o corpo de Cristo que estava inerte no túmulo foi movido por O CRIADOR e a terra se abalou (Mt.27:51-54; Mt.28:2; Hb.12:26,27). Cristo foi vivificado no espírito (I Pe 3:18). Mas a oferta só poderia ser feita após três dias depois da Páscoa/Pósqayao. Isto tem a ver com a ressurreição que ocorreu somente três dias depois da morte de Cristo, ao pôr-do-sol do sábado moral!

Nota de o Caminho: Por isto é que é ERRADO fazer “Ceias” mensais ou trimestrais... A Santa Ceia é na Páscoa/Pósqayao, e isto, seguindo o calendário judaico. Jamais o calendário da ICAR [seguido pelos evangélicos] pois este calendário além de descaracterizar a Pósqayao, induz a erro de até um mês na data correta!

O Local do Sacrifício de Cristo: O local exato da morte de Cristo não se sabe. As Escrituras mencionam o lugar onde Cristo foi crucificado, que se chamava Calvário (Lc.23:33). Em hebraico (aramaico) o nome é Gólgota (Jo.19:17) que significa Lugar da Caveira (Mt.27:33). De qualquer maneira, foi fora da cidade como prefigurava o bode para azazel (Lev 16). Por outro lado, o Monte Moriá (II Cr 3:1) pode ter sido este lugar pois foi ali que O CRIADOR escolhera para que Abraão "oferecesse" Isaac em holocausto, prefigurando o sacrifício de O CRIADOR ao nos dar o Seu único Filho! Gn 22:2.

Como dissemos, Cristo não poderia ser crucificado fora da Judéia, muito embora tenha sido crucificado fora de Jerusalém (Hb.13:11,12; Jo.19:20; Mt.21:39). A Judéia, local do templo de Salomão, era o local onde O CRIADOR havia escolhido para habitar (I Rs.9:3). Com isto O CRIADOR queria mostrar que só há um Caminho para a salvação. Os sacrifícios da Páscoa/Pósqayao não podiam ser realizados em qualquer lugar, mas somente naquele lugar onde O CRIADOR havia determinado. Os sacrifícios e adoração fora de Jerusalém era considerado pecado (I Rs.12:25-33; I Rs.13:9,10; I Rs.8:29,33,38,44; Dn.9:3; Jo.4:20). Levíticos 16 ilustra este sacrifício [condenado dentro da cidade e morto fora da...].

Pelo estudo das Escrituras descobrimos que culto falso prestado ao UL verdadeiro também é idolatria. Se alguém pretende agradar ao verdadeiro CRIADOR [Jo 1:3] por meios estranhos às Sagradas Letras (símbolos trinitarianos), realiza culto falso e comete o pecado da idolatria. Somente o Sacrifício do Calvário realizado por Cristo, tem valor para YAOHUH UL [o Pai – I Co 8:4 up, 5-6]. Yaohushua é o Caminho (Jo 14:6). O ETERNO [YAOHUH – que é como se lê o tetragrama] não aceita outro sacrifício além do sacrifício de Cristo realizado no Calvário. Desse modo, ordenando que os sacrifícios fossem realizados no templo, O CRIADOR estava querendo demonstrar que só há um Caminho para a salvação.

Yaohushua é descendente de Judá (Gn.49:8-12; Jo 4:22), e por esta mesma razão a tribo de Judá recebeu lugar de honra na ordem dos acampamentos da tribo, diante do tabernáculo (indicando que um descendente de Judá haveria de abrir o Caminho que dá acesso aO ETERNO – Nm 2:3; Lc.1:78,79; Sl.84:11; Ml.4:2), porque a salvação vem dos judaicos (Jo.4:22) e Yaohushua é a Porta (Jo.10:9). 

2. ASMOS = MATZOT (matzot - Lv. 23:6): Esta festa era comemorada no dia seguinte à Páscoa/Pósqayao (Lv.23:6). Os pães não continham fermento porque representavam a pureza de Cristo, o Pão da Vida (Lv.2:11; Dt.16:1-4; Jo.6:48,51; I Co.11:23-26; Mt.16:6). Também expressa a nossa comunhão com Cristo, que começa com a nossa redenção e depois prossegue em uma vida santa (I Co.5:6-8; Gl.5:9). As ofertas de pães asmos não poderia conter sangue,  porque o sangue era derramado pelo pecado (Ex.23:18; 34:25) e esta oferta deveria ser apresentada como "aroma agradável aUL/Criador" (Lv.23:13). Os hebreus deveriam celebrar a festa dos pães asmos durante sete dias, durante os quais deveriam comer pão não levedado (Ex.12:15-20).

Evento correspondente no NT: Santificação (I Co.5:8).

Assim como a Festa dos Pães Asmos era celebrada imediatamente após o sacrifício da Páscoa/Pósqayao, aquele que é redimido pelo sangue de Cristo, deve imediatamente prosseguir em seu caminho em processo de santificação: "...aperfeiçoando a nossa santidade no temor de O CRIADOR" (II Co.7:1). Esta oferta não poderia conter sangue do sacrifício porque o sangue era derramado por causa do pecado e "...aquele que sofreu na carne deixou o pecado" (I Pe 4:1) e "...quem morreu, justificado está do pecado... ...a morte já não tem domínio sobre Ele" (Rm  6:7,9).

Diversos textos das Sagradas Escrituras demonstram este processo de santificação do cristão, vinculado à sua redenção e originado nela. Saber distinguir os textos que falam da salvação inicial dos textos que falam da santificação é importante para uma real compreensão das Sagradas Escrituras

3. PRIMÍCIAS = HABICURIM ( abicurim - Lv. 23:9): A palavra primícias no hebraico é habicurim. As Primícias era comemorada 3 dias e 3 noites depois da Páscoa/Pósqayao (Lv.23:12), quando as primícias da terra eram ofertadas aUL/Criador, e 49 dias antes do Pentecoste. O CRIADOR requeria apenas um molho de cevada. A Festa das Primícias é também designada "...festa das segas dos primeiros frutos (Ex.23:16)."

O uso do fermento era proibido na Festa dos Pães Asmos e na Festa da Páscoa/Pósqayao, porém poderia ser usado na Festa das Primícias (Lv.23:17,18). O fermento é considerado pelas Escrituras como tipo da presença da impureza e do mal (Ex.12:15,19; 13:7; Lv.2:11; Dt.16:4; Mt.16:6,12; Mc.8:15; Lc.12:1; I  Co.5:6-9; Gl.5:9). Portanto os dois pães levedados a serem movidos, representam Israel/Yaoshoul’ita e os gentios formando a Igreja. O fermento é sinal da imperfeição no meio do povo de O CRIADOR (Mt.13:33).

Nota de o Caminho: O Fermento como símbolo do pecado JAMAIS pode participar de uma Santa Ceia [pão pulmã]...

Evento Correspondente no NT: Ressurreição (I Co.15:20; At.26:23; Cl.1:18)

A ressurreição de Yaohushua ocorreu no sábado, ao pôr-do-sol (Mc.16:2; Lc.24:1; Jo.20:1) 3 dias e 3 noites após a sua morte (Mt.12:40). "O Filho do Homem será entregue nas mãos dos homens, e o matarão; mas três dias depois da sua morte, ressuscitará" (Mc.9:31).

"...Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo Ele as primícias dos que dormem" (I Co.15:20). Cristo é "o primogênito de entre os mortos" (Cl.1:18). "...sendo o primeiro da ressurreição dos mortos..." (At.26:23).

A ressurreição de Cristo e, analogicamente, a oferta das primícias, representavam a consagração de toda a colheita a O CRIADOR e serviram como um penhor, ou garantia, de que a totalidade da colheita ainda se realizará na ceifa (Rm.8:23; 11:16; I Co.16:15). Portanto, Cristo na qualidade de Primícias da Ressurreição, consagrou a O CRIADOR toda a colheita (Hb.2:13).

OBS: Antes de Yaohushua ocorreram ressurreições, mas todos eles morreram depois... Hebreus nos diz que nem mesmo os heróis da fé estão vivos: Heb 11:13; 39-40.

 

CLIC AQUI para fazer um Curso de Profecias Bíblicas que esclarecerá estes e muitos outros fatos a respeito do ministério de Jesus!


Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são um tempo em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do espírito de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que Ele é real e que o Fim dos Tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna em Seu Reino, como se já estivesse com Ele.  Se quiser saber como nascer de novo, CLIC AQUI AGORA!!!

No entanto, se a dificuldade está nas doutrinas (de homens) que a sua igreja prega, siga então o último conselho bíblico: Saia dela Povo Meu! Apoc 18:4.

...E, se Eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para Mim mesmo, para que onde Eu estiver estejais vós também. João 14:3

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam que Jesus está às portas!!!

Que Deus o abençoe.

Clic Aqui para enviar esta Matéria para um amigo!

 

HOME

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

..