Make your own free website on Tripod.com

Monte Sinai

 
SUKKOT - A Festa do Messias

 

 

A Festa dos Tabernáculos ou Sukkot (em hebraico), para nós cristãos dos últimos dias, se reveste de um significado especialíssimo. Durante séculos a igreja cristã institucional tem observado apenas a festa da Páscoa - dentre as três grandes festas de Israel - Páscoa, Pentecostes, Tabernáculos (Dt 16 e Lv 23). Para nós, a Festa dos Tabernáculos significa a habitação do Senhor em nosso meio (II Co 6:16b-18), e também o fato de que estamos entrando na nossa Herança (de que Canaã era uma figura).

Na verdade, Deus habitou em nosso meio na pessoa de Jesus. Em João 1:14, que diz: "E o verbo se fez carne, e habitou entre nós", a palavra no original não é habitou, mas "tabernaculou" entre nós. Isto demonstra que Jesus era "Deus conosco", ou seja, Deus tabernaculando conosco. Por este motivo, temos visto os estudiosos afirmarem que Jesus não nasceu no dia 25 de dezembro, mas durante a Festa dos Tabernáculos. Isto é óbvio, se pensarmos que no dia em que Jesus nasceu, "pastores... guardavam o seu rebanho durante as vigílias da noite" (Lc 2:8). Se fosse na noite de 24 ou 25 de dezembro, isto não seria possível, devido ao frio que faz naquela região nessa época. Neste caso, os rebanhos estariam bem guardados em seus apriscos fechados, e não ao ar livre, como Lucas relata. Pode-se provar que Jesus nasceu em setembro ou outubro, estudando-se em profundidade a dada do nascimento de João Batista, 6 meses antes do nascimento de Jesus (Lc 1:36), se considerarmos que Zacarias, pai de João, era do turno de Abias (Lc 1:5).

Verificando-se a época em que esse turno funcionava no tabernáculo, conclui-se que (I Cr 24:10), somando-se o tempo necessário para o nascimento de Jesus cairá durante a Festa dos Tabernáculos.

 

Significado profético

Além disto, a Festa dos Tabernáculos é uma Festa Profética. A sua mensagem nos fala da nossa herança, isto é, "da medida da plenitude da estatura de Cristo", a que a Palavra de Deus nos promete que chegaremos em breve (Ef 4:11-16). Fala da glória de Deus a ser manifestada nesta "ultima casa" (Ag 2:8). Fala não apenas do milagre da provisão de Deus no meio do deserto, mas de uma provisão superabundante na terra que é nossa herança, onde teremos não apenas as "primícias", "o penhor da nossa herança" (Rm 8:23; Ef 1:13,14), que é o Espírito Santo, mas teremos a plenitude da herança, a posse de tudo o que o Senhor tem reservado para os seus filhos.

Significado prático

A Festa dos Tabernáculos não é apenas algo que comemoramos uma vez por ano, em setembro-outubro, relembrando o passado, mas significa, para nós, uma EXPERIÊNCIA. Assim como a Páscoa é para os alvos uma experiência (libertação do pecado e da escravidão), e também o Pentecostes é uma experiência (batismo com o Espírito Santo), Tabernáculos é uma experiência a ser atingida pela Igreja Cristã.

É certo que neste mês nos reuniremos para estudar a Palavra, e adorar ao Senhor. Mas a Festa não termina depois desta Santa Convocação. Ela continua em nossos coração, que anseiam pelo seu cumprimento, pela manifestação dos seus frutos, dia após dias. E, pouco a pouco podemos sentir que o Corpo de Cristo, a igreja, esta chegando à experiência da Festa dos Tabernáculos. Aleluia.

Tabernáculos será uma experiência em que todo o Corpo entrará ao mesmo tempo.

Qual deve ser o nosso interesse? Ajudar todos os membros do Corpo de Cristo a entrar em todas as experiências que Deus está revelando aos Seus nestes últimos dias, para que em breve tudo se cumpra e cheguemos a "restauração de todas as coisas" (At 3:21), e possa cumprir-se cabalmente no Corpo de Cristo a experiência da Festa dos Tabernáculos.

Como observar a festa dos Tabernáculos

1.      "Ide, comei carnes gordas, tomai bebidas doces" (Ne 8:10). Há muitas maneiras pelas quais as ações de graça pela Colheita, podem ilustrar a Ceifa Mundial que cremos que Deus nos dará, e que a Festa tipifica.

  1. "Enviai porções aos que não têm nada preparado para si" (Ne 8:10). Rejeitemos a troca de presentes comum na época de Natal (falsa data do nascimento de Jesus), em favor do "enviar porções". Não é uma troca interesseira, mas "presentes aos que nada têm preparado para si". Nisto consiste o amor. Esta é uma boa saída para o comercialismo do Natal, e um digno substituto cristão para o ambiente pagão da época natalina.

  2. "Dia após dia leu Esdras no livro da lei de Deus desde o primeiro dia até o último; e celebraram a Festa por sete dias" (Ne 8:18). O estudo e meditação na Palavra de Deus é uma característica do "espírito" da Festa dos Tabernáculos. Procure ler a Palavra com a família e mais outras pessoas, se possível, nestes dias.

  3. "Saí ao monte, e trazei ramos... para fazer cabanas" (Ne 8:15,16). Faça uma pequena cabana para lembrar o significado da Festa, tipificando a estrebaria em que Deus veio tabernacular conosco, na pessoa de Jesus. Essa cabana pode ser uma bela ilustração da verdade, especialmente para as crianças.

Além de tudo, estamos esperando que o Senhor, nestes últimos dias, revelará algo completamente novo a respeito da Festa dos Tabernáculos. Procure começar seguindo os princípios da Palavra de Deus, que as demais coisas o Espírito revelará a seu tempo.

A REPRESENTAÇÃO PROFÉTICA DA FESTA DE SUKOT

A festa de Sukot é rica em significados e simbolismos, que como nos diz a Bíblia, está sempre apontando para algo que haveria de vir - eram sombra das coisas futuras - e assim é com Sukot.

O primeiro fator relembrado nesta festa é o fato de que os judeus estavam sempre viajando - as cabanas eram simples para poderem ser montadas e desmontadas a qualquer momento - e isso é uma representação do "peregrinar" do homem sobre a terra. Sabemos que o mundo não é nosso lugar. Jesus quando falou disso, disse o seguinte: "Não são do mundo, como eu do mundo não sou" (Jo 17.16), demonstrando que nossa verdadeira cidadania não é terrena, pois apenas "estamos" no mundo, porém não "somos" do mundo!

Outro fator importante é que as cabanas eram frágeis, mas independente disso o povo viveu por quarenta anos no deserto sob a proteção de Deus. Isso nos faz lembrar o cuidado de Deus para conosco e que mesmo em meio às provações há a provisão, o livramento, a proteção que, apesar da fragilidade de nossa vida, manifestam-se desta forma dando-nos a certeza de que Ele está com todas as coisas sob controle! Durante os quarenta anos de peregrinação do povo de Israel não lhes faltou coisa alguma, quer no sentido material, quer no sentido espiritual. A provisão material abrangia duas áreas principais: a provisão da alimentação em meio a um deserto e a manutenção daquilo que eles já tinham quando saíram do Egito. Isso só foi possível graças a uma época de intensos milagres - a primeira grande era dos milagres bíblicos -, pois quando da peregrinação Deus proveu comida e água suficientes para alimentar todos os integrantes do povo. Levando-se em consideração que os que saíram do Egito foram 600.000 (seiscentos mil homens) e fazendo-se uma média de quatro (4) pessoas por família - o que é pouco para os orientais, que costumam ter famílias numerosas -, teremos um total aproximado de 2.400.000 (dois milhões e quatrocentos mil pessoas) no deserto pedindo água e comida e sendo supridos plenamente por Deus; não seria isso um grande milagre? Quando se fez necessário Deus abriu rochas e fez que delas brotassem fontes de água e até mesmo fez "chover" carne do céu, enviando ao povo codornizes para que eles pudessem ter seu suprimento de proteínas adequado para a viagem. Mas o mais impressionante disso é o maná. Está escrito que Deus deu ao povo "pão dos anjos" (Sl 78.25) para comer! Imagino o que deve ter acontecido. O Senhor dá uma ordem e os próprios anjos levavam este "pão" para alimentar ao povo, e mesmo assim eles ainda reclamaram, pois sentiram-se enjoados por comerem o maná! Não somos nós assim? Vivemos de uma forma que, às vezes, Deus envia seus anjos para nos alimentar, e mesmo assim reclamamos! Há também a questão das roupas e calçados: não haviam condições de terem-se fábricas de calçados e tecelagens no deserto, porém os calçados e as roupas não envelheceram nem desgastaram-se durante a época da peregrinação. Temos aqui duas hipóteses: a primeira é a de que Deus "conservou" as roupas e calçados do povo de Israel de forma a não se desgastarem. A segunda é de que além disso, as roupas e calçados "cresceram" com o povo, pois na época da saída do Egito muitas crianças e jovens saíram no meio do povo, e eles cresceram e se desenvolveram durante aqueles quarenta anos de caminhada!

Em nossas vidas também acontecem tais milagres - provisão para o corpo e no corpo - nossas roupas e alimentos - o que nos mantém durante nossa peregrinação firmes e convictos de que tudo não passa de um contínuo milagre, pois somos continuamente livrados por Deus em nosso dia-a-dia e não o percebemos! Nossa saúde é mantida por Deus - e consequentemente a vida - apesar de nossa fragilidade!

Outro fator muito importante e também esquecido por nós é que Deus andava em meio à seu povo no deserto e isso foi visto claramente por eles, pois durante o dia havia uma nuvem que cobria todo o povo, evitando assim que o calor do sol os fizesse perecer no deserto. Esta cobertura simboliza o cuidado de Deus para conosco e faz-nos lembrar que, do alto vem nosso livramento e que também nós temos uma "cobertura" muito competente, pois o Criador dos céus e da terra é aquele que é autoridade (cobertura) sobre nós e assim gerencia nossos passos, para que não sejamos consumidos pelo calor do sol no deserto. Isso durante o dia, pois á noite a coisa é ainda pior! Á noite temos a ausência de luz, e no deserto sopra um vento muito frio, além de haverem os animais que saem de seus esconderijos para poderem se alimentar e ali está o povo, totalmente entregue às condições do tempo e aos perigos daquele lugar. Mas até para isso o Senhor providenciou solução. No deserto havia uma "coluna de fogo" que guarnecia o povo (em hebraico, literalmente "algo que se punha em pé"), lembrando-nos de que quando chegam os momentos "obscuros e tenebrosos" da vida (ou como diz Davi: "Ainda que eu andasse pelo vale da sobra da morte não temeria mal algum, porque Tu estás comigo" Sl 23.4) Deus se faz presente em nossa vida como um "fogo consumidor" que além de nos esquentar durante o rigoroso frio do deserto também espanta os animais perigosos que poderiam nos atacar, além de providenciar a direção correta em meio à escuridão!

O motivo da Festa de Sukot é basicamente um: relembrarmos dos atos de Deus na história do povo de Israel e também sabermos que isso acontece hoje conosco, e por isso celebramos à Ele por tudo!

Os judeus messiânicos crêem que o Messias virá numa festa de Tabernáculos, pois de acordo com João capítulo 7 Yeshua (Jesus) foi para a Festa de Tabernáculos (7.2), porém só se manifestou no último dia da Festa dizendo: "E no último dia da festa, Jesus pôs-se em pé e clamou dizendo: Se alguém tem sede venha a mim e beba". Naquele dia, Jesus fez uma das declarações mais importantes já feitas ao homem: "Se alguém tem sede..." Naquele dia Jesus revela-se aos judeus como sendo ele a fonte de água que pode saciar a sede de todos os que se acheguem a Ele... A condição é sempre a fé! Está escrito: "Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre".

O Messias, segundo crêem os judeus virá justamente no último dia de Sukot, pois foi justamente neste dia que Jesus se manifestou aos seus... Esperamos pois que, quer seja em Sukot ou não, possamos estar atentos para o momento em que Yeshua nos levará para junto de si definitivamente...

Baruch Há Shem!
Bendito seja o Nome!

Contatos com o autor:
  mmoreno@shemaysrael.com.br

  Leia Também:

Conheça o  Shofar - o instrumento que anunciará a volta de Yeshua

 


Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são um tempo em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do espírito de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que Ele é real e que o Fim dos Tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna em Seu Reino, como se já estivesse com Ele.  Se quiser saber como nascer de novo, CLIC AQUI AGORA!!!

No entanto, se a dificuldade está nas doutrinas (de homens) que a sua igreja prega, siga então o último conselho bíblico: Saia dela Povo Meu! Apoc 18:4.

...E, se Eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para Mim mesmo, para que onde Eu estiver estejais vós também. João 14:3

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam que Jesus está às portas!!!

Que Deus o abençoe.

Clic Aqui para enviar esta Matéria para um amigo!

 

HOME

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

..