Make your own free website on Tripod.com

Monte Sinai

 
39 - Lei e Graça

 

 

 

A LEI DE DEUS No Antigo Testamento

(1)- "Não terás outros deuses diante de Mim." Êxodo 20:3.

(2)- "Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque Eu sou o SENHOR teu Deus, Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que Me aborrecem, e faço misericórdia até mil gerações daqueles que Me amam e guardam os Meus mandamentos." Êxodo 20:3-6.

(3)- "Não tomarás o nome do SENHOR teu Deus em vão, porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o Seu nome em vão." Êxodo 20:7.

(4)- "Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque em seis dias fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou; por isso o SENHOR abençoou o dia de sábado e o santificou." Êxodo 20:8-11.

(5)- "Honra ateu pai e atua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR teu Deus te dá." Êxodo 20:12.

(6)- "Não matarás." Êxodo 20:13.

(7)- "Não cometerás adultério." Mateus 19:18; Tiago 2:11.

(8)- "Não furtarás." Êxodo 20:15.

(9)- "Não dirás falso testemunho contra o teu próximo." Êxodo 20:16.

(10)- "Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma que pertença ao teu próximo." Êxodo 20:17.

A LEI DE DEUS No Novo Testamento

(1)- "Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a Ele darás culto." Mateus 4:10. (Ver também Apocalipse 19:10; 22:8, 9).

(2)- "Guardai-vos dos ídolos." I João 5:21. - "Sendo, pois, geração de Deus, não devemos pensar que a divindade é semelhante ao ouro, à prata, ou à pedra, trabalhados pela arte e imaginação do homem." Atos 17:29.

(3)- "... para que o nome de Deus e a doutrina não sejam blasfemados." Timóteo 6:1.

(4)- "Porque em certo lugar assim disse, no tocante ao sétimo dia: E descansou Deus, no sétimo dia, de todas as obras que fizera." Hebreus 4:4. - "Pois nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra." Colossenses 1.16. - "Então se retiraram para preparar aromas e bálsamos, e no sábado descansaram, segundo o mandamento." Lucas 23:56.

(5)- "Honra o teu pai e a tua mãe." Mateus 19:19 (Ver também Efésios 6:1-3).

(6)- "Não matarás." Mateus 19:18.

(7)- "Não adulterarás." Êxodo 20:14.

(8)- "Não furtarás." Romanos 13:9, Efésios 4:28.

(9)- "Não dirás falso testemunho." Romanos 13:9; Colossenses 3:9.

(10)- "Não cobiçarás." Romanos 7:7.

1. Em nossos dias, encontramos no mundo muitas religiões que guardam o domingo, alegando não ser mais necessário guardar os Dez Mandamentos de Deus que incluem a observância do sábado do sétimo dia. Afirmam que "nesta nova dispensação, que é o período de tempo aquém do Calvário, não somos salvos pelas obras da lei, mas somos salvos pela graça de Deus". Infelizmente, os que afirmam isto, não têm plena consciência dos ensinamentos da Santa Palavra de Deus.

A Bíblia esclarece que os que entram no Céu, são salvos pela graça de Deus e não pelas obras da lei. Pessoas há que vão ao extremo de sustentar que os justos foram salvos, na antiga dispensação, pelas obras da lei, mas na nova dispensação são salvos pela graça. Se isto fosse verdade, haveria certamente um Céu dividido. Alguns terão chegado lá pelas obras da lei, e outros pela graça de Deus. Isto significaria que Deus era mutável no Seu plano de salvar o homem. Numa dispensação, Ele salvaria os homens pelas obras, e numa outra dispensação, Ele os salvaria pela graça.

2. Tal ensinamento significaria que Deus era mutável, porém a Bíblia não ensina semelhante doutrina. 0 livro de Malaquias é claro e definitivo quando afirma que Deus não muda.

- "Porque Eu, o SENHOR, não mudo; por isso vós, o filhos de Jacó, não sois consumidos. " Malaquias 3:6 (J).

Ademais, os homens eram salvos pela graça na antiga dispensação, assim como na nova. Não poderia ser de outra maneira, pois o eterno concerto é um concerto aplicável à fé dos filhos de Deus em ambas as dispensações.

Em Efésios 2:4-5 lemos que "Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou", operou em nosso favor, mediante o Messias, e que "pela graça vós sois salvos". 0 texto torna claro que somos salvos pela graça. Também erre Tito 2:11, lemos:

- "Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens." Conseqüentemente, a graça de Deus que "traz salvação, se manifestou a todos". 0 texto não diz que traz salvação somente aos da nova dispensação, mas a todos os homens, o que abrange ambas as dispensações.

3. Davi, por inspiração divina, escreveu a seguinte notável declaração, cerca de 1.000 anos A.E.C.:

- "0 SENHOR dá graça e glória; nenhum bem sonega aos que andam retamente. Ó SENHOR dos Exércitos, feliz o homem que em Ti confia." Salmo 84:11-12 (J).

Esta passagem torna claro que, na antiga dispensação, os homens eram salvos pela graça se andavam na retidão. Em outras palavras, se eram obedientes a Deus, salvavam-se pela graça. É evidente, nos escritos de Moisés, que era pela graça que os homens se salvavam. Em Êxodo 33:12-13 (J), vemos três vezes que Moisés "achou graça" à vista do SENHOR. A mesma coisa se vê em Êxodo 34:6-9 (J), onde o SENHOR vincula Sua misericórdia ou graça com o perdão dos pecados. Isso tudo faz parte do concerto da graça. Outra passagem que mostra que os homens na velha dispensação eram salvos pela graça:

- "Certamente Ele escarnece dos escarnecedores, mas dá graça aos humildes." Provérbios 3:34 (J).

Aqui Deus declara com clareza que aos humildes ou justos Ele dá graça.

4. Para provar mais ainda que em ambas as dispensações somos salvos pela graça, leiamos uma passagem no Novo Testamento, a qual é quase idêntica a de Provérbios:

- "Pelo que diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes." Tiago 4:6. 5. Os homens jamais foram salvos pelas obras da lei. Todos os que entrarem no Céu, hão de ter sido salvos pela graça. O Novo Testamento ensina que isto era verdade em relação ao povo da antiga dispensação. Notemos o que foi dito de Davi, em Romanos 4:6-7:

- ''É assim também que Davi declara ser bem-aventurado o homem a quem Deus atribui justiça, independentemente de obras, dizendo: bem-aventurados aqueles cujas iniqüidades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos."

Davi viveu na antiga dispensação, e o Novo Testamento ensina que os justos daquele tempo eram salvos pela graça. Que mais provas poderia um filho de Deus exigir? Para Deus, não faz diferença se a pessoa vivia na antiga ou na nova dispensação - todos os que se salvam, são salvos pela graça. Citamos mais do Novo Testamento, pois em Atos 4:12 lemos:

- ''Em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos."

Na antiga dispensação, o povo aguardava o Messias que os havia de salvar pela graça; ao passo que, na nova dispensação, nós olhamos para trás ao Messias que nos salva pela graça.

6. Poderá perguntar alguém: se todos somos salvos pela graça, qual é, então, o propósito da lei? É fácil encontrarmos a resposta em Tiago 2:12, que diz:

- "Falai de tal maneira, e de tal maneira procedei, como aqueles que hão de ser julgados pela lei da liberdade."

Aqui a Bíblia diz que a lei é para julgar os homens. Por outras palavras, nós não somos salvos pela lei, mas somos julgados pela lei. Segundo a própria Palavra de Deus, Ele decidirá se estamos aptos para o Seu reino, julgando-nos de acordo com a lei dos Dez Mandamentos, como diz Tiago 2:10-12:

- ''Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos. Porquanto, Aquele que disse: Não adulterarás, também ordenou: Não matarás. Ora, se não adulteras, porém, matas, vens a ser transgressor da lei. Falai de tal maneira, e de tal maneira procedei, como aqueles que hão de ser julgados pela lei da liberdade."

Assim, pois, não sorvos salvos pelas obras; somos salvos pela graça, corno nos diz Efésios 2:5:

- "Estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente corri Cristo [o Messias], - pela graça sois salvos.'

7. Para elucidar o significado de lei e graça, sirva de ilustração a seguinte narrativa: Certo homem vive numa cidade, corno pessoa livre e desimpedida, sob o governo daquela cidade. Tem liberdade de ir aonde quiser, viver como quiser, contanto que não viole a lei da cidade. Suponhamos que um dia ele vá ao centro, e ao chegar a uma loja de jóias, ele quebre a vitrina, penetre na loja e furte algumas jóias, fugindo em seguida. Ao chegar à esquina, um policial o apanha e diz: ''Espere uri minuto, você está debaixo da lei! Suponhamos que o homem responda: "Debaixo da lei? por quê?'' A resposta seria: ''Porque violou a lei da cidade, que diz: Não furtarás!" O homem é levado para a cadeia da cidade, encerrado atrás da grade, e lhe dizem: "Agora que você está debaixo da lei, assim vai ficar.' Quando o caso vai a julgamento, e o juiz perguntar ao oficial: ''Por que está aqui este homem?" O oficial responderá: "Por ter violado a lei da cidade, tendo sido visto a roubar numa joalheria.

8. Então o juiz volta-se ao acusado e pergunta: "Que tem a dizer em sua defesa"? O que responde: 'Culpado ou 'Inocente'?" O homem diz: "Sou culpado!' É então sentenciado à prisão por ter violado a lei que proíbe furtar.

Passado algum tempo na cadeia, o condenado reconhece o mal que cometeu ao furtar, e sente grande tristeza por haver praticado ato tão mau. Arrependido e em desespero, submete às autoridades' competentes um pedido de indulto - isto é, liberdade sob a condição de cumprir a promessa de não furtar mais. Ele admite ter procedido mal em privar outros do que de direito lhes pertencia. Examinam a sua ficha de registro e resolvem dar-lhe liberdade condicional. Então pode-se anotar em seu registro: "Indultado por graça do governador do Estado."

9. Significa isto que agora ele está livre para sair e furtar tudo que deseje? Não! Certamente não. Ele ainda é obrigado a guardar a lei daquela cidade. O homem vivia como pessoa livre sob as leis da cidade, enquanto não infringia as leis dessa cidade; mas quando transgrediu as leis, ele imediatamente incorreu na condenação da lei. Em outras palavras, o homem que obedece à lei, é livre sob a lei. Mas o homem que transgride a lei, está sob a condenação da lei. Se, depois de perdoados, obedecemos aos Dez Mandamentos de Deus, habilitados pelo Seu poder, somos salvos pela graça; mas, se transgredimos a lei de Deus, então estamos novamente debaixo de sua condenação.

10. Em I João 3:4, a Bíblia diz:

- "O pecado é a transgressão da lei." E em Romanos 6:23, o SENHOR diz também: a "O salário do pecado é a morte." Assim a Bíblia torna muito claro que, mediante as bênçãos da graça, o pecador tem a liberdade restaurada. E em Romanos 6: 14, 15, 23, lemos:

- "Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e, sim, da graça. E daí? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, e, sim, da graça? De modo nenhum... porque o salário do pecado é a morte." E mais: "Eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei; pois não teria conhecido a concupiscência se a lei não dissera. Não cobiçarás... Por conseguinte, a lei é santa; e o mandamento, santo e justo e bom." Romanos 7:7, 12.

Notemos que a Bíblia não ensina que, uma vez salvos pela graça, temos o direito de continuar em pecado, mas diz:

- "Então quê? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? de modo nenhum... Porque o salário do pecado é a morte." "Eu não, conheci o pecado senão pela lei."

Não é mesmo significativo que a própria . parte da Bíblia que nos diz que somos salvos pela graça, diz-nos também que sejamos obedientes à lei de Deus? A dificuldade com algumas pessoas é que lêem um texto e então se detêm, em vez de pesquisar a Bíblia toda, para descobrir o que significa o texto.

11. A graça é definida como favor imerecido. É, porém, algo mais; é o amor manifestado por Deus que perdoa. É o amor de Deus derramando-se para os pecadores penitentes cá embaixo, dando-lhes a vida eterna. A graça não é alguma coisa que existe à parte da lei; existe por causa da lei, e existia já antes de ser anunciada a lei no Sinai. Graça e lei jamais foram separadas, nem na nova, nem na antiga dispensação. Existiram lado a lado, desde que o homem pecou. A Bíblia reforça esta declaração, pois lemos:

- "Onde não há lei, também não há transgressão." Romanos 4:15.

Aqui vemos que, se não há lei, não há transgressão ou pecado; portanto, não haveria necessidade da graça. Se não há pecado, não há condenação; e se não há condenação, não há necessidade da graça. Onde não há lei, nunca há necessidade da graça.

12. Para ilustrar o que queremos dizer, suponhamos que uma pessoa seja presa por assistir a um serviço religioso. Levada ao tribunal, o juiz se voltaria para o oficial perguntando: "Por que foi preso este homem?" Ao que o oficial responderia: ''Por assistir a um culto religioso." Mas o juiz diria: "Não há lei que proíba a um homem assistir a um culto religioso. Logo, perdoarei a este homem por graça deste tribunal." O acusado, porém, diria: "Excelência, não preciso ser perdoado pela graça deste tribunal, pois não transgredi nenhuma lei. Como é do conhecimento do Sr. Juiz, deve haver um motivo para conceder graça ou favor imerecido. Visto como não transgredi nenhuma lei, não há necessidade de graça." A única resposta que o juiz poderia dar, seria: "O senhor tem razão."

13. Para reconhecermos a mais profunda razão por que deve haver lei para haver graça, basta pensarmos no Messias. Por que morreu Ele por nós? A Bíblia diz que Ele "morreu por nossos pecados". Mas podemos perguntar então: "Que é o pecado?" A resposta encontra-se em I João 3:4, onde lemos:

- "0 pecado é a transgressão da lei."

Portanto, o Messias morreu por nós porque transgredimos a lei. Se não há lei, não há pecado, e nenhuma necessidade de um salvador. O Messias morreu porque os homens quebrantaram a lei de Deus. Se admitimos que o Messias morreu por nós, então admitimos que existe uma lei, pois não podemos ser pecadores se não há lei. O diabo gostaria que acreditássemos não ter que obedecer à lei de Deus, porque somos salvos pela graça; mas este é o mais fraco dos argumentos. É um conceito fatal, que levará milhões de pessoas a perderem a vida eterna, pois os homens continuam pecando, em grande parte, por propagar-se entre os cristãos esta doutrina falsa. Se o inimigo das almas consegue influenciar o povo a continuar crendo em tal doutrina, ele sabe que o tem sob seu controle. Por mais que o Messias deseje,salvá-los, Ele não o pode fazer, pois a Bíblia diz:

- "O salário do pecado é a morte." Romanos 6:23.

E diz também:

- "A alma que pecar, essa morrerá." Ezequiel 18:4 (J).

Em Romanos 3:31, lemos esta pergunta e a resposta:

- "Anulamos, pois, a lei pela fé? De maneira alguma, antes, sim, estabelecemos a lei." 14. A Bíblia nos ensina que todos os pecadores perderão a vida eterna, a não ser que aceitem a graça que Deus lhes oferece. Existe apenas um que pode tornar possível o perdão ao pecador arrependido, que é Ele, o Messias. Em Atos 4:12, lemos:

- "E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos."

Em Apocalipse 3:5, o Messias diz: "O vencedor será assim vestido de vestiduras brancas, e de modo nenhum apagarei o seu nome do livro da vida; pelo contrário, confessarei o seu nome diante do Meu Pai e diante dos Seus anjos."

Assim, somente o Messias pode conceder essa graça se estivermos dispostos a abandonar o pecado e guardar os Seus mandamentos, conforme Ele tem dito em João 14:15:

- "Se Me amardes, guardareis os Meus Mandamentos."

15. Ilustremos mais ainda este assunto da graça. Imaginemos um homem que tenha gasto seu dinheiro em bebida e jogo, dinheiro que deveria ter usado para comprar comida e roupa para a família. Batia na mulher quando voltava para casa embriagado, e às vezes os filhos tinham que chamar a polícia para impedir que o pai batesse nela. Havia também ocasiões quando, completamente bêbado, espancava os filhos até correr sangue. De amor paternal, ele nunca deu mostras. Quando vinha para casa, as crianças escondiam-se dele. A esposa tremia de medo - todos temiam a hora de sua chegada do serviço.

16. Em seu local de trabalho, até seu;, companheiros se desentendiam com ele. Estava sempre pronto para uma briga. Amaldiçoava e tomava em vão o nome do Senhor. No trato com outras pessoas, era desonesto; cometia um pecado atrás de outro. Perante o Céu, ele era um grande pecador. Só uma sorte o aguardava: a punição dos ímpios e a morte eterna.

17. Um dia, porém, esse homem passou por um lugar onde estavam realizando estudos da Bíblia. Reparando no anúncio pregado na porta, ele resolveu entrar e assistir. Tudo lhe pareceu muito interessante, e na noite seguinte voltou, depois na seguinte, e assim fez repetidamente. Uma noite, em que o pregador fez um apelo ao público, ele foi para a frente e entregou seu coração a Deus. Depois da reunião, ele foi falar com o pregador contando-lhe quão grande pecador tinha sido, que vida levara, como tratara sua mulher, seus filhos, seus companheiros. E perguntou ao pastor se ele achava que Deus lhe perdoaria os pecados. Ao que o pregador lhe falou, com prazer, de como o Messias viera para salvar o mundo do pecado, e que, se ele decidisse entregar o coração a Deus, e abandonar suas práticas pecaminosas, o SENHOR lhe perdoaria os pecados e lhe ajudaria a transformar-se num homem de Deus.

18. Naquela mesma noite, quando voltou para casa, era justamente a hora das crianças irem dormir. Ele chamou a mulher ao quarto onde pudessem os dois estar sozinhos, e disse: "Escute aí! eu tenho sido um marido péssimo e um pai muito mau, serra amor. Tenho batido em você e nos filhos, gastei em bebidas o dinheiro que devia ter servido para comprar alimento e roupa para você e as crianças. Querida, eu nada lhe contei, mas tenho assistido a reuniões especiais, lá na cidade. Esta noite encontrei a Deus e Lhe entreguei o coração e a vida. Agora sou crente, e lhe peço perdão por todas as coisas horríveis que lhe tenho feito durante todos esses anos passados. Você me perdoa'? Ao que a mulher rompeu em pranto e chorando: "Oh! José, estou tão feliz por você ter encontrado a Deus! Por certo que eu the perdôo. Oh! estou tão feliz, José! Quando você for assistir a próxima reunião, leve-me e aos filhos com você, pois, se essas reuniões tanto lhe têm feito, De,rs certamente está presente ali."

19. Então ele perguntou: "Meu bem, onde estão as crianças?'' E ela disse: ''José, estão se escondendo no outro quarto. Penavam que você viesse bêbado e lhes batesse'' ''Não! disse ele. ''Pela graça de Deus, nunca mais farei isso. Quero confessar-lhes meus pecados. Leve-me para junto deles!" A mulher então levou o marido ao quarto e disse: ''Filhos, venham cá! 0 papai tem alguma coisa a dizer-lhes." As três crianças saíram do esconderijo. O pai estendeu os braços, dizendo: 'Venham, filhos! quero falar com vocês. Nestes muitos anos, eu era um mau pai. Tenho desperdiçado o dinheiro com bebidas, em vez de comprar alimento e roupa para vocês. Não Ires dei as coisas que um bom pai dá aos filhos. Tenro sido um terrível pecador, merecendo a morte. Mas esta noite encontrei a Deus. Entreguei-lhe o coração e depois vim para casa e pedi perdão à sua mãe. Ela me perdoou. Agora, meus filhos, quero saber se vocês me perdoam também a  maneira cruel como os tenho tratado, se lhes prometer que, daqui por diante, serei para vocês um verdadeiro pai?'' Os três filhos começaram a chorar e, chorando, disseram: "Oh! papai! estamos tão felizes porque o senhor encontrou a Deus!" Naquele lar, naquela noite, houve uma grande reunião de família - reunião que todo o Céu terá presenciado com amor e compaixão - capaz de levar mesmo os anjos a chorar de alegria.

20. Naquela noite, antes de retirar-se para repousar, ele foi sozinho a um quarto. Ajoelhou-se e clamou a Deus: "ó, SENHOR, Deus de Israel, todos estes anos tenho sido um terrível pecador, digno da morte. Tenho tomado em vão o Teu nome. Bebia e era desonesto. Tratava minha mulher e meus filhos da maneira mais cruel e sei que mereço a morte eterna, mas oh! Senhor Deus, me arrependo tanto dos meus pecados, da maneira ímpia com que entristeci a Ti todo esse tempo. Tenho transgredido os Teus mandamentos, inclusive o quarto que diz:

- "Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra; mas o sétimo dia é o sábado." Êxodo 20:8-11.

"Mas, o SENHOR, se tão-somente me perdoares todos os pecados que contra Ti tenho cometido, prometo que, doravante, com a ajuda do Messias, serei crente e Te seguirei sempre.''

Deus, ao contemplar esse homem confessando penitentemente seus pecados e rogando-Lhe que criasse nele um coração puro, escreveu ao lado do nome de José Levy, no Livro da Vida: "Salvo pela graça.''

21. Ora, por que motivo poderia Deus escrever isso junto ao nome? Porque José Levy tinha reconhecido suas transgressões. Lemos novamente a definição do pecado, dada nas Escrituras Sagradas:

- "0 pecado é a transgressão da lei." Esse homem estava sob a condenação da lei, digno de morte. Estava debaixo da lei, nesse sentido, porque a violara. Agora ele está debaixo da graça, porque foi perdoado por Deus: ele está salvo pela graça.

Que o SENHOR conceda a cada um de nós urna porção dobrada de Sua graça para que, daqui por diante, possamos todos nós guardar os Seus mandamentos e possamos ser fiéis e verdadeiros quando o Messias vier!

 

INSTITUTO DA HERANÇA JUDAICA

Caixa Postal: 60836 - AG. C. Limpo

CEP  05788-360  /  São Paulo – SP

 

HOME